Uber passa a limitar horas de condução

Para reduzir risco de fadiga entre condutores, a aplicação desliga-e automaticamente ao fim de dez horas acumuladas de condução efectiva.

Táxi, Carro
Foto
“A condução sonolenta é uma questão de segurança séria, mas muitas vezes subestimada”, avalia o presidente da PRP, José Miguel Trigoso bruno lisita

A Uber vai introduzir uma limitação tecnológica para controlar o número máximo de horas de trabalho por dia dos condutores. Sempre que um condutor acumular dez horas de condução efectiva, a plataforma desliga-se por um período mínimo de seis horas. O objectivo é combater o risco de fadiga ao volante.

Este controlo através da própria plataforma já existe noutros mercados em que a Uber trabalha, como EUA, Reino Unido, França e Médio Oriente. E passa a ser aplicado também em Portugal, onde a medida entra em vigor nesta quinta-feira. Até agora, não havia nenhum controlo por parte dos condutores afiliados na Uber Portugal. A Uber limitava-se a listar nas “regras da comunidade” uma recomendação: “Se estiver a conduzir e se sentir cansado, faça um intervalo.” Conduzir com cansaço ou não era, por isso, uma escolha do condutor no mercado português.

Ou seja, a empresa não exercia um controlo efectivo, um cenário que se pretende mudar, um passo que merece o aplauso da Prevenção Rodoviária Portuguesa (PRP).

“A condução sonolenta é uma questão de segurança séria, mas muitas vezes subestimada”, avalia o presidente da PRP, José Miguel Trigoso, a propósito desta novidade. “Saudamos este passo da Uber”, sublinha o mesmo responsável da PRP, que é a representante portuguesa no inquérito europeu às atitudes de segurança dos condutores.

Os resultados mais recentes sugerem que em Portugal ainda se arrisca muito: 60% dos portugueses inquiridos afirmaram ter conduzido apesar de estarem demasiado cansados para o fazer.

Na prática, a Uber vai passar a contabilizar o tempo efectivo de condução. Perto do limite de tempo, a aplicação que a Uber fornece aos condutores enviará notificações periódicas, desligando-se automaticamente quando o máximo é atingido. Nas seis horas seguintes, o condutor permanecerá offline, ficando dessa forma impedido de ser contratado para mais serviços durante esse período obrigatório de descanso.

Questionada pelo PÚBLICO, a filial portuguesa da Uber esclarece que só conta para o limite as horas efectivamente conduzidas. Ou seja, apenas é contabilizado o tempo em que o GPS a bordo registar movimento. Portanto, os tempos mortos não contam: se um condutor estiver nove horas com a aplicação ligada, mas não realizar nenhum transporte, esse tempo não será contado.

Por outro lado, o condutor pode recolocar a contagem do tempo a zero quando mantiver a aplicação desligada pelo menos seis horas.

Rui Bento, director-geral da Uber para a Península Ibérica, considera esta funcionalidade “importante”, porque ajuda a “proteger não só os motoristas, mas também os utilizadores e quem circula nas estradas portuguesas”. E porquê o limite de dez horas – que aliás é o que está previsto na legislação aprovada em Março e que irá regular a actividade da Uber e empresas congéneres em Portugal, algures a partir do presente Verão? A empresa responde: “Há estudos internacionais que apontam que a partir das 10h-12h de condução, os acidentes relacionados com a fadiga aumentam consideravelmente. E por isso, com base na evidência científica disponível, consideramos relevante este número de horas” como limite.

Para José Miguel Trigoso da PRP, a empresa deve prosseguir o esforço de segurança. “Incentivamos que continuem a tirar proveito da tecnologia para prevenir eventuais acidentes”, refere este responsável, salientando a relevância da redução do risco de fadiga dos motoristas para aumentar a segurança nas estradas.