Um festival de Verão para vinhos e petiscos

A Adegga quer marcar o calendário anual de eventos ligados ao vinho e à gastronomia com um novo modelo de festival, que acontece já no próximo fim-de-semana, em Lisboa, em que dez produtores trazem chefs convidados e haverá um "jantar sustentável".

Churrasco, vinho, brinde, delicatessen, comida, bebida
Foto
dr

“A gastronomia ajuda a vender vinho”, afirma André Ribeirinho, um dos responsáveis da Adegga, organizadora de festivais de vinho (os Adegga Wine Markets) e que se lança agora num projecto mais ambicioso, que junta também a comida. É já no próximo fim-de-semana, nos dias 30 de Junho e 1 de Julho, que acontece o primeiro Adegga Wine & Food Festival, no Pavilhão Carlos Lopes, em Lisboa, com 60 produtores de vinho e dez chefs.

“Existe uma relação muito forte entre a gastronomia de cada região e os vinhos dessa região”, explica André Ribeirinho. “O que nós fizemos foi convidar alguns dos produtores presentes a trazerem quem eles acham que representa a gastronomia que melhor combina com os vinhos deles.” A ambição não é pequena: “Queremos ser o Rock in Rio dos vinhos e da gastronomia em Lisboa e usar este evento para atrair pessoas que possam escolher aquele período para vir conhecer a cidade. Queremos que este seja um ponto forte do calendário de gastronomia e vinhos.”

Assim, haverá dez Mesas do Chef, que proporão diferentes petiscos para acompanhar os vinhos de cada produtor: com o produtor Carlos Lucas virá Diogo Rocha (Mesa de Lemos), com Ségur Estates, Joachim Koerper (Eleven), com o vinho Dominó (o agora também produtor) Vítor Claro. No lounge de vinhos da Beira Interior estará Valdir Lubave, enquanto a Aveleda trará o Malaca Too e Conchichina, restaurante asiático da Lx Factory, em Lisboa, e o Vincentino convidou o Lisboa à Vista, do Seixal. Outros produtores que terão Mesa do Chef serão Cortes de Cima, Herdade Grande, Quinta Maria Izabel e Symington. André Magalhães também estará presente com os petiscos da sua Taberna da Rua das Flores.

Uma das grandes apostas do evento será a Mesa Mais Longa do Verão, dia 30 nas galerias do Pavilhão Carlos Lopes, a partir das 21h30. Em cima da mesa estará um jantar feito pelo chef Nuno Bergonse, que usará apenas produtos nacionais, pão da padaria Gleba, legumes biológicos da Quinta do Arneiro, especiarias de Maria Granel, porco alentejano e produtos da Fruta Feia. Quanto aos vinhos, a filosofia é BYOB (Bring Your Own Bottle), mas a equipa da Adegga promete levar alguns vinhos surpresa. 

O papel da Adegga é ser “um curador light”, cabendo aos produtores escolher quem vai cozinhar. E, embora a ideia seja valorizar a gastronomia portuguesa, esta surge aqui num conceito aberto – “pode ser representada por pratos de fora de Portugal com influência portuguesa, como a tempura ou o vindaloo”.

“Queremos ser um evento Zero Waste”, sublinha André Ribeirinho. Nesta primeira edição não será muito fácil conseguir esse objectivo, mas foi pedido a todos os produtores e chefs participantes que “não usem plástico e sirvam a comida em recipientes que possam ser lavados”. A parceria com a Fruta Feia, por exemplo, também faz parte desta preocupação com a sustentabilidade. “Queremos mostrar às pessoas que é possível fazer uma refeição fantástica com aqueles ingredientes.”

A ambição da Adegga é que o reforço da componente gastronómica funcione aqui como “uma ponte para os vinhos, falando uma linguagem mais acessível”, que é a da comida. André explica: “Toda a gente consegue ir a um restaurante e dizer se gostou ou não da comida, se tinha sal a mais ou a menos, se era mais ou menos requintada. Nunca ninguém responde ‘não percebo nada disto’, como acontece muitas vezes com os vinhos.” Por isso, defende, juntar a comida aos vinhos ajuda a “fazer uma tradução” – “existe o vinho de um lado e a vida das pessoas do outro, o tradutor é a gastronomia”.

Para entrar no Adegga Wine & Food Festival existe o bilhete Prova (15 € online, 20 € à porta), que inclui entrada para sábado ou domingo e prova de todos os vinhos disponíveis; e um passe no valor de 40 euros que dá acesso a um dia, com a possibilidade de provar mais de 500 vinhos e seis petiscos Mesa do Chef. O jantar A Mesa Mais Longa do Verão tem um custo de 60 euros e inclui entrada nos dois dias do festival.