Jumbo é o supermercado mais barato em Portugal

No fim da lista estão o Intermarché, o Minipreço e o Lidl.

Junk food, fast food, comida de conveniência, supermercado, mercearia
Foto
pedro cunha

O Jumbo é o supermercado mais barato na generalidade do território português, seguido do Continente (detido pelo grupo Sonae, dono do PÚBLICO) e Pingo Doce, concluiu um estudo da DECO Proteste publicado esta terça-feira, que analisou 591 lojas em 70 concelhos, entre Janeiro e Março de 2018. Ainda assim não é o preferido dos portugueses: mais de metade dos inquiridos pela associação de defesa do consumidor diz preferir o Continente.

Comparando os preços de um cabaz com 142 produtos – sendo que desses, 38% eram de marca branca e 62% de marca de fabricante, seguindo as tendências de consumo das famílias portuguesas –, a conclusão é sempre a mesma: o Jumbo é o mais barato na generalidade do território, à semelhança dos três anos anteriores. É o líder de preços em concelhos como Aveiro, Coimbra, Leiria, Lisboa, Setúbal e Viseu.

É o supermercado mais barato em toda a linha, praticando os melhores preços em produtos frescos e congelados, mercearia e produtos de higiene pessoal e do lar. E lidera também nos preços da loja online.

Ainda assim, os preços baixos não se traduzem na preferência do consumidor. Aí, é o Continente (e o Continente Modelo) que lidera a tabela. O Jumbo “é opção apenas para 6% dos participantes” que responderam ao inquérito online distribuído pela DECO. “Quase metade dos inquiridos revela escolher o Continente na hora de fazer o maior volume de compras”, ainda que esta cadeia pratique preços, em média, 2% mais caros.

A preferência pode ser explicada pela presença territorial. As lojas Jumbo proliferam no litoral, mas são raras em “regiões com menos população, como o Interior, os Açores e a Madeira”. “Talvez seja esta proximidade uma das explicações de o Continente ser o local preferido para fazer compras”, escreve a DECO no relatório. “Não será, contudo, a existência de um cartão de descontos a fazer pender os pratos da balança para o Continente, já que apenas um terço dos inquiridos afirma seguir as promoções dos supermercados à risca”, continua o relatório.

No fim da lista dos supermercados mais baratos para se fazer compras estão o Intermarché, o Minipreço e o Lidl, estes dois últimos por causa do preço dos frescos. “Muitas vezes, carne e peixe são da responsabilidade de agentes externos à marca e têm preços mais elevados”, explica a DECO. “Já nos produtos de mercearia e drogaria, melhoram bastante os resultados: o Lidl obtém inclusive uma posição ligeiramente superior à do Pingo Doce”, refere o estudo.

Na capital, o supermercado mais barato da cidade é o Pão de Açúcar (do grupo Auchan, à semelhança do Jumbo) do Amoreiras Shopping Center. Na Invicta, é o Continente do Dolce Vita.

“Quem mais compra, mais poupa”

A DECO comparou ainda dois perfis de consumidor para perceber qual deles tem maior potencial de poupança. De um lado está quem gasta 150 euros por mês em supermercado, do outro quem vai aos 400 euros por mês. “Estes números estão em linha com um inquérito online que realizámos em Abril junto de 1815 associados, meio por meio entre homens e mulheres. Seis em dez inquiridos dizem deixar 100 euros a 300 euros por mês no supermercado”, explica a associação. E a conclusão é que quem mais gasta mais poupa.

Os distritos com maiores oscilações de preço são Porto, Santarém, Lisboa e Faro. No Porto, quem gasta 400 euros por mês no supermercado consegue uma poupança média de 557 euros por ano se escolher o supermercado mais barato em detrimento do mais caro. Neste distrito, a loja mais cara pratica valores médios cerca de 25% mais caros do que a mais barata. A percentagem é praticamente igual em Faro, mas a poupança anual é ligeiramente superior: pode chegar aos 619 euros. Em Lisboa, pode poupar-se até 480 euros. Em Santarém, estima-se que a poupança anual ronde os 586 euros. Aqui, a loja mais barata pratica preços 12% inferiores à loja mais cara.