Redes sociais

Facebook testa ferramenta para contar os minutos passados na rede social

O objectivo é ajudar as pessoas a aproveitar melhor o tempo que passam na plataforma. O Google e a Apple apresentaram sistemas semelhantes nos últimos meses.
Foto
Há meses que o Facebook revela preocupações sobre o tempo que as pessoas passam na plataforma Reuters/REGIS DUVIGNAU

O Facebook está a desenvolver uma nova funcionalidade para ajudar os seus utilizadores a gerir o tempo que passam na rede social. Além de apresentar os minutos que as pessoas passaram na plataforma nos últimos sete dias, o novo sistema permitirá definir limites máximos de utilização. Quando se ultrapassa o número diário estabelecido, o Facebook envia um alerta.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

O objectivo é ajudar as pessoas a melhor aproveitar o tempo que passam na aplicação. “Estamos sempre a trabalhar em novas formas de garantir que o tempo que as pessoas passam no Facebook é tempo bem empregue”, explica um porta-voz do Facebook, num email enviado ao PÚBLICO.

Nos últimos meses, o Google e a Apple também lançaram sistemas semelhantes, depois das grandes empresas e fabricantes de aplicações e smartphones serem acusadas de ignorar o problema das pessoas viciadas em pequenos ecrãs. Na apresentação da Apple, o Facebook foi utilizado como um exemplo de uma aplicação usada em excesso.

A nova funcionalidade do Facebook foi primeiro avançada numa publicação do Twitter de Jane Wong. A estudante e investigadora de Boston, EUA, disse ao PÚBLICO que encontra funcionalidades escondidas em várias aplicações através de engenharia inversa (o processo de desconstrução de um programa para ver como funciona).

Contrariamente ao Google, que defende que é preciso ajudar as pessoas a encontrar um “equilíbrio” entre a vida real e a digital ao limitar o tempo que passam agarradas aos aparelhos, e à Apple, que quer que as pessoas larguem os aparelhos durante a noite, Mark Zuckerberg não acredita que o tempo que se passa na aplicação seja o maior problema. A questão – que deve ser resolvida com a nova funcionalidade do Facebook – é a forma como se usa a rede social.

“Queremos que o tempo que as pessoas passam no Facebook contribua para interacções sociais positivas”, frisou Zuckerberg, durante uma apresentação de resultados da empresa, em Dezembro de 2017. Para o fundador do Facebook, partilhar publicações, comentar fotografias e usar o Messenger ajuda os utilizadores a sentirem-se mais conectados com o mundo. O problema, defendeu, é quando o Facebook é usado para um comportamento anti-social, em que os utilizadores navegam por publicações, vídeos e perfis de forma passiva.