Cuidadores devem ser envolvidos na reabilitação e podem ser pagos por isso

Especialistas sugerem programa de formação à distância em medicina física e reabilitação dirigido a profissionais de saúde, especialmente médicos de família e enfermeiros de centros de saúde

Saúde
Foto
Nelson Garrido

Os familiares e cuidadores dos doentes devem ser envolvidos na continuidade de prestação dos cuidados de medicina física e reabilitação (MFR) e deve ser equacionada a possibilidade de se criarem modelos de remuneração de actividade, propõem os autores de um relatório sobre os cuidados nesta área em ambulatório (sem internamento), que está em consulta pública no site da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) até 20 de Julho.

Outras propostas para o "médio e longo prazo" passam pela valorização da participação dos psicólogos e dos assistentes sociais e pela elaboração de um programa de formação à distância dirigido a profissionais de saúde, especialmente médicos e enfermeiros dos cuidados de saúde primários.

Considerando que é preciso rever os critérios de acesso, atribuição e prescrição, os autores do relatório defendem ainda a melhoria do acesso e atribuição dos produtos de apoio, ajustando os que devem ser disponibilizados pelo Serviço Nacional de Saúde. E recomendam que o desenvolvimento de planos de auditoria que envolvam a Direcção-Geral da Saúde e a ACSS para salvaguardar a qualidade e segurança dos cuidados.