Apenas 1% dos donos de cães perigosos ou potencialmente perigosos têm formação obrigatória desde 2013

O não cumprimento dos critérios obrigatórios de formação dos donos de animais é um dos motivos para a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal manter as reticências quanto a esta lei que permite a permanência de animais no interior dos estabelecimentos

Raça cão, pastor alemão, great dane, gato
Foto
Fábio Augusto

Em Portugal, estão registados 18.628 cães perigosos ou potencialmente perigosos no Sistema de Identificação de Caninos e Felinos. Para esse total – dos quais 1549 são perigosos – apenas 242 dos seus donos receberam a formação obrigatória desde 2013 por lei, de acordo com a informada enviada ao PÚBLICO pela Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária, do Ministério da Agricultura. Resulta assim que apenas 1% dos detentores de cães perigosos ou potencialmente têm essa formação, admitindo que para cada dono existe apenas um cão. Por outro lado, só existem sete treinadores a quem foi atribuído título profissional para dar essa formação específica, ministrada pela GNR e PSP e “dirigida à educação cívica, ao comportamento animal e à prevenção de acidentes”.

O não cumprimento dos critérios obrigatórios de formação dos donos de animais é um dos motivos para a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) manter as reticências quanto a esta lei que permite a permanência de animais no interior dos estabelecimentos. “Não havendo necessariamente essa formação, não há totais garantias”, defende a secretária-geral Ana Jacinto.

A lei que entra hoje em vigor prevê a afixação de um dístico no exterior de restaurantes e outros estabelecimentos comerciais que permitem animais no seu interior. O dístico que a AHRESP criou não é vinculativo mas a afixação deste ou outro com a informação em local visível está prevista na lei. No dístico da AHRESP, figura a lotação de animais permitidos em simultâneo no espaço e as espécies autorizadas, duas informações que a associação lamenta estarem omissas na lei. Nenhum dos restaurantes contactados pelo PÚBLICO que já admitem animais, têm essa informação à porta, e disseram não estar a prever, para já, colocá-la: os clientes vão sabendo entre si e através da informação nas redes sociais, disse Marisa Duque, de um dos restaurantes contactados em Lisboa.