Fernando Santos: “O 2-0 teria acabado com o jogo”

Seleccionador nacional lamenta penálti falhado.

Foto
O mais importante está feito, disse o seleccionador nacional Reuters/MATTHEW CHILDS

Declarações do seleccionador nacional na conferência de imprensa após o empate (1-1) com o Irão, na terceira jornada do Grupo B do Mundial 2018. Portugal apurou-se em segundo lugar, atrás da Espanha, e vai defrontar o Uruguai nos oitavos-de-final.

“A conclusão máxima, e mais importante, é que vamos estar nos oitavos-de-final. Queríamos muito estar nos oitavos-de-final. Tenho de dar os parabéns ao Carlos [Queiroz], pelo excelente trabalho que tem feito no Irão. É uma equipa organizada, nunca sai do jogo, trabalha e acredita sempre que é possível.”

“Entrámos muito bem no jogo, claramente por cima, com boa circulação. A equipa do Irão teve dificuldade em controlar a nossa equipa. Quando o avançado centro começou a marcar homem a homem o William Carvalho criou-nos dificuldades, mas conseguimos reequilibrar quando o William passou a baixar em vez de fugir para os lados.”

“[Golo] foi um lance de génio, um excelente golo do Quaresma. Controlámos outra vez até à grande penalidade. Não conseguimos concretizar essa oportunidade, mas faz parte do futebol. O 2-0 teria acabado quase definitivamente com o jogo, mas manter-se o 1-0 fez com que o Irão acreditasse mais. Houve muita picardia, perdemos um pouco o controlo, mas com a entrada do Bernardo a equipa acalmou outra vez.”

“Depois o Irão fez um golo, teve uma excelente oportunidade. Mas os jogadores estão de parabéns. Vamos estudar bem o Uruguai e disputar esse jogo para vencer.”

“Possível vermelho a Cristiano Ronaldo? Não fiquei nada preocupado. Pareceu-me um lance normal de jogo. O árbitro fez aquilo que tinha de fazer. Acho que fez o seu trabalho, temos de aceitar.”

“A Espanha ainda hoje empatou com Marrocos, uma equipa a que Portugal ganhou. Não há jogos com menor grau de dificuldade. Este Campeonato do Mundo tem provado que isso não existe. Vamos olhar para o Uruguai, estudá-lo bem, e procurar a estratégia para ganhar.”

“Tomarei sempre as decisões que eu achar que são as melhores para a minha equipa.”

“Para nós o importante era estar nos oitavos-de-final. Temos a ambição de continuar na prova e podemos encontrar qualquer adversário. Vamos preparar-nos muito bem mental e fisicamente para o jogo com o Uruguai. A Rússia é a equipa da casa, tem um apoio fortíssimo. O Uruguai é uma equipa sul-americana, com muitíssima qualidade. Mas Portugal tem as suas armas e vai procurar vencer.”

“Os melhores jogadores do mundo têm isto. Quando não há uma oportunidade flagrante e as coisas não acontecem, para eles custa mais. Recusam-se a falhar, e quando falham ficam muito chateados.”

“Diferença para o Euro 2016? São equipas diferentes. No Europeu passámos com três pontos, e agora passamos com cinco. Queremos trabalhar bem, crescer juntos em mentalidade e organização de jogo. A responsabilidade é do treinador, que escolheu os 23. Compete-me melhorar cada vez mais a minha equipa. Mas o mais importante está feito nesta fase.”