YouTube

Há um lado divertido na matemática — e a MathGurl conhece-o como ninguém

Chama-se Inês Guimarães, mas muitos conhecem-na como MathGurl. O seu tempo é dividido entre a Faculdade de Ciências da UP e o YouTube, onde criou o primeiro canal sobre matemática no país.

Para Inês Guimarães, a matemática nunca foi um bicho-de-sete-cabeças. Mas foi um professor que, no 7.º ano, a levou a apaixonar-se pelos números. A pedagogia era questionável, mas resultou. Cinco anos depois, Inês criou MathGurl, o "primeiro canal do YouTube sobre matemática em Portugal". A álgebra abstracta, a teoria dos números e a geometria são as matérias favoritas e já contagiaram mais de 46 mil subscritores.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

Foi ao treinar para as Olimpíadas da Matemática que a agora estudante universitária trocou os problemas aborrecidos que resolvia e repetia na sala de aula por enigmas complexos e desafiantes. "As Olimpíadas fazem com que os participantes tenham realmente de puxar pela cabeça e de pensar fora da caixa, com criatividade", recorda. "Não são apenas aqueles exercícios mecânicos da escola."

Comunicar sempre foi a segunda paixão de Inês, que delirava de cada vez que o professor de português anunciava que a avaliação passava por apresentações de livros. A dada altura escolheu aliar as duas áreas e assim surgiu, em 2015, o MathGurl. "Decidi mostrar às pessoas que a matemática não tinha de ser encarada de uma forma puramente escolástica, que é uma coisa que existe fora da escola, uma área viva, dinâmica, que pode ser encarada com bom humor, com boa disposição", conta. Fazer com que as pessoas olhassem para a matemática de forma diferente pareceu-lhe um desafio demasiado grande para recusar e, de uma forma genuína e divertida, partilhou o primeiro vídeo no YouTube.

Foto
Inês Guimarães estuda Matemática na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto. Teresa Pacheco Miranda

Num abrir e fechar de olhos, a MathGurl era já conhecida do outro lado do Atlântico. Um professor brasileiro, rosto do canal Matemática Rio, descobriu o projecto quando este tinha pouco mais de 50 subscritores. Não tardou a divulgá-lo junto dos alunos e as subscrições multiplicaram. Ainda hoje, a maior parte dos seguidores de Inês é de nacionalidade brasileira. Se por um lado existem mais canais educativos no país, a jovem acredita que os estudantes brasileiros, por outro, estão mais habituados a estudar a partir de vídeos do que os portugueses.

Mas o sucesso no YouYube não se ficou por aí. No ano lectivo passado, a Betweien — uma empresa de inovação em educação — cruzou-se com o canal MathGurl e não teve dúvidas de que Inês era a pessoa certa para o projecto que tinha em mente. Com o cantor Paulo Sousa, criou "A v do Problema", um programa destinado a alunos do 9.º ano e ensino secundário que leva às escolas palestras e músicas compostas em conjunto sobre diferentes temas da matemática. "É super divertido", diz. Recentemente, a dupla lançou também "A Terra da Mentemática", desta vez para alunos do 1.º ciclo. Inês ficou responsável por escrever um conto infantil e Paulo Sousa apresenta-o nas escolas, com novas músicas.

“Temos de ter um certo nível de maluqueira”

Não é difícil entender o porquê de a matemática ser tão assustadora para a grande maioria dos alunos, comenta. Enquanto que na biologia ou botânica os conceitos são palpáveis e se pode, por exemplo, "estudar as propriedades de uma planta", a matemática é uma área abstracta, que se passa essencialmente "dentro das nossas cabeças". "Temos de ter um certo nível de maluqueira para entrar no mundo da matemática", admite.

Há quem pense que o curso de Matemática, que frequenta há dois anos na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, serve apenas para dar aulas, mas Inês insiste em contrariar essa ideia. "A matemática tem muito mais saídas profissionais do que simplesmente ser professora, isso é uma coisa do século passado."

Aliar a comunicação, a inovação e o mundo do espectáculo à matemática pode ser uma possibilidade no futuro, mas é cedo para pensar nisso. Para já, Inês quer terminar o curso, envolver-se em novos projectos e continuar a fazer o que mais gosta — passear, brincar com animais e tocar piano.

Receber uma medalha Fields — uma distinção considerada o equivalente do Nobel para a matemática — também não era mal pensado. Isso significaria que teria provado a conjectura de Buniakovski, que pretende saber "se um certo tipo de polinómios inteiros produz infinitos valores que são números primos ou não". "Ninguém sabe, há muito tempo que ninguém sabe e era bom que alguém soubesse. Se fosse eu a descobrir, melhor", ri.