Conjuntura

Banco de Portugal mantém previsões para o PIB mas alerta para o futuro

Previsão do banco central para 2018 fica igual à do Governo, mas para o futuro é feito um alerta relativamente à utilização de um “cenário macroeconómico benigno”
Foto
Nelson Garrido / Arquivo

O Banco de Portugal mantém as previsões de crescimento para os próximos três anos, reafirmando que o Produto Interno Bruto (PIB) português irá aumentar 2,3% em 2018, em linha com aquilo que é projectado também pelo Governo. Porém, além de voltar a prever um abrandamento nos anos seguintes, o Banco de Portugal alerta, na análise que faz aos planos do executivo para os próximos quatro anos, para o risco de excesso de optimismo.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

No boletim económico de Junho publicado nesta quinta-feira, a entidade liderada por Carlos Costa, repete as mesma previsões que tinha apresentado em Março: 2,3% este ano, 1,9% em 2019 e 1,7% em 2020.

Em apenas dois indicadores é efectuada uma revisão significativa para 2018, as exportações e as importações. Em Março, o banco central previa um crescimento de 7,2% para as exportações e de 7,7% para as importações, mas agora aponta para 5,5% e 5,7%, respectivamente.

Esta mudança resulta daquilo que já aconteceu no primeiro trimestre do ano, período em que tanto as exportações como as importações foram afectadas por paragens de produção na Autoeuropa e na Galp, empresas decisivas para os números do comércio internacional em Portugal.

Mas, se para 2018 a previsão do Banco de Portugal está em linha com a do Governo, para o futuro a autoridade monetária é bem mais prudente. E, numa análise ao Programa de Estabilidade apresentado pelo Governo em Bruxelas, o banco central deixa alguns alertas.

O relatório assinala que as expectativas do Governo de redução das despesas com juro, que dão uma grande ajuda para a melhoria do saldo orçamental, “estão muito dependentes de factores exógenos”. E alerta que os resultados orçamentais assentam num “cenário macroeconómico benigno”, para além de dependerem de medidas que ainda não estão totalmente detalhadas.