Festival de Artes em Macau estreia centro de intercâmbio cultural sino-lusófono

O festival integra a Exposição Anual de Artes entre a China e os Países de Língua Portuguesa e Alexandre Farto (Vhils) e Pauline Foessel são os curadores da exposição Alter Ego.

Obras da artista portuguesa Wasted Rita, que faz parte dos convidados do festival
Foto
Obras da artista portuguesa Wasted Rita, que faz parte dos convidados do festival Miguel Manso

A exposição Chapas Sínicas, um retrato de Macau durante a dinastia Qing, é um dos eventos que marca a inauguração do "centro de intercâmbio cultural entre a China e os países lusófonos" em Macau, foi esta terça-feira anunciado.

O Instituto Cultural (IC) de Macau divulgou, na íntegra, o programa da 1.ª edição do Encontro em Macau - Festival de Artes e Cultura entre a China e os países de língua portuguesa, que abre em Julho "um novo capítulo" no intercâmbio cultural e humanístico entre estes países, disse em conferência de imprensa a directora do IC, Mok Ian Ian.

Inscritas na UNESCO desde o ano passado, as Chapas Sínicas documentam a permanência dos portugueses em Macau e a negociação com o império chinês, numa cidade onde as duas comunidades coabitavam. A exposição cruza imagens e documentos que ajudam a "construir um retrato vivo de Macau", indicou a entidade. O festival integra também a Exposição Anual de Artes entre a China e os Países de Língua Portuguesa, para a qual os fundadores da galeria Underdogs - Alexandre Farto (Vhils) e Pauline Foessel - partem como curadores da exposição Alter Ego.

De acordo com o IC, a primeira edição dedica-se às "múltiplas facetas da arte contemporânea" e reúne obras representativas do interior da China, das regiões especiais — Macau e Hong Kong — e dos oito países de língua portuguesa (Portugal, Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste).

Entre um total de quatro exposições, contam-se obras dos portugueses Miguel Januário (conhecido por maismenos), Wasted Rita, Ricardo Gritto e do estúdio de design Pedrita.

Por último, foi apresentado o Fórum Cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa, um evento dedicado à "diversidade cultural" que irá reunir oradores e especialistas de vários países. O objectivo, recordou o IC, é "contribuir para a consolidação de Macau como plataforma de intercâmbio e cooperação cultural sino-portuguesa".

No passado dia 7, o IC já havia revelado dois dos eventos que compõem este festival inédito: o Festival de Cinema - que inclui dois filmes do português Manoel de Oliveira; e o Serão de Espetáculos, com apresentações de música e dança de grupos de Gansu, província no noroeste da China, e também de grupos portugueses, angolanos e cabo-verdianos.

Questionada sobre a continuidade deste Festival de Artes, a responsável máxima pelo Instituto Cultural afirmou que o plano é "organizá-lo anualmente" e considerou ainda a inclusão da literatura nas próximas edições. Mok Ian Ian disse que o orçamento da primeira edição ronda os 2,9 milhões de euros.