Juventude Popular queixa-se de ingerência do CDS e retira-se das eleições no Porto

Candidatura de Fernando Barbosa diz que está a ser prejudicada, oposição vai exigir que Cristas peça desculpas

Santos FC
Foto
Francisco Rodrigues dos Santos é o líder da JP Nuno Ferreira Santos

As eleições para a liderança da distrital do CDS-Porto vão disputar-se, este sábado, num clima de muita tensão. A Juventude Popular (JP) argumenta que há uma “ingerência” do CDS-PP na sua estrutura, retirou-se das eleições e pede a intervenção da direcção do partido, depois de a mesa do plenário distrital do CDS-Porto não ter disponibilizado os cadernos eleitorais dos "jotas" de Vila Nova de Gaia e também os da Federação dos Trabalhadores Democrata-Cristãos (FTDC) de todo o distrito. A candidatura de Fernando Barbosa – que concorre contra Cecília Meireles, vice-presidente do partido – diz que está a ser prejudicada.

Raul Almeida, porta-voz da lista alternativa ao Conselho Nacional, assume que, depois das eleições, vai exigir que Assunção Cristas faça "um pedido de desculpas formal" às duas estruturas e vai pedir a destituição do presidente da mesa do plenário, Henrique Campos e Cunha, que é também membro do conselho nacional de fiscalização. 

A mesa do plenário da distrital do Porto, que organiza o acto eleitoral, alega que os delegados apresentados pela FTDC são, simultaneamente, militantes do CDS no concelho de Vila Nova de Gaia, e têm uma filiação recente, pelo que ainda não podem votar. O mesmo argumento é usado para os filiados na JP de Gaia. Ao que o PÚBLICO apurou, a mesa aponta outras irregularidades que têm a ver com o facto de haver militantes do CDS que também estão inscritos no PSD.  

Esta posição levou a JP de Francisco Rodrigues dos Santos a tomar uma posição de força. Nenhum "jota" do distrito votará nas eleições deste sábado por solidariedade para com os elementos de Vila Nova de Gaia. A decisão foi tomada numa comissão política nacional da JP, que se reuniu de emergência no Porto, e que terminou já na madrugada desta sexta-feira. Francisco Rodrigues dos Santos diz que as conclusões serão remetidas para a direcção do partido. Mas, ao que o PÚBLICO apurou, a JP enviou uma carta ao secretário-geral do CDS em que classifica a decisão da mesa do plenário como uma ingerência na vida interna da organização de juventude. O CDS foi ainda informado de que a JP não reconhece o acto eleitoral, que apela a que não votem em todo o distrito e que os candidatos também renunciem aos lugares nas listas. É uma posição dura de uma estrutura liderada por uma figura que já assumiu querer integrar as listas do CDS para a Assembleia da República nas próximas legislativas. 

Também a FTDC argumenta que tem autonomia própria e que tem a competência exclusiva para verificar as suas listas de delegados. Com a decisão da mesa do plenário do Porto, nem o presidente da FTDC, Fernando Moura e Silva, que também é candidato na lista de Fernando Barbosa, vai poder votar este sábado.

A candidatura de Fernando Barbosa, que é líder da concelhia de Vila Nova de Gaia, assume que, com a decisão da mesa do plenário, fica em desvantagem. “Estamos prejudicados. Só no concelho de Gaia, sem a lista da JP e a da FTDC são 164 e 82 delegados”, afirmou ao PÚBLICO Fernando Peres, mandatário de Fernando Barbosa. Peres argumenta que Campos Cunha “não pode recusar uma lista de um órgão autónomo” por falta de competência e que “é a primeira vez que isto acontece na história do CDS”. O PÚBLICO tentou contactar Cecília Meireles, mas sem sucesso.

Há várias vozes a pedir a intervenção da direcção neste caso e a condenar a decisão da mesa do plenário da distrital. A Tendência Esperança em Movimento (TEM), corrente interna do CDS, que tem defendido o cumprimento dos estatutos do partido, mostra preocupação com a situação no processo eleitoral no CDS-Porto. O porta-voz da TEM, Abel Matos Santos, considera que “ninguém tem o direito a sonegar os cadernos eleitorais” e que a situação "é atentatória do bom nome do partido", disse, admitindo vir a pedir a destituição dos dirigentes que conduzem o processo eleitoral.