Editorial

O eixo da ignorância

Os líderes europeus não conseguem resolver os problemas com os refugiados. Agora há um eixo voluntarista de nações que quer banir os imigrantes e que nos devia envergonhar a todos.

Angela Merkel tem a autoridade posta em causa: não só não consegue convencer o parceiro de coligação como está em risco de perder a confiança da população alemã, que se entrega cada vez mais aos interesses extremistas da AfD. Mas não é a única a sofrer dos males provocados pela crise de migrantes, que está desde 2014 a ajudar à fogueira populista que consome os ideais europeus. 

Quando a discussão está neste ponto, não vale sequer a pena ser racional. Aliás, racionalidade é coisa que não existe neste debate: a crise humanitária é real e ninguém a questiona; a Europa tem a ganhar com a entrada de migrantes, especialmente em países como Portugal, que estão carentes de famílias jovens e que têm um historial de integração; o dinheiro que custam estes migrantes é absolutamente irrisório face ao manto protector da União Europeia ou mesmo ao orçamento de países como a Alemanha.

O número de migrantes a entrar na Europa com as crises mediterrânicas é tão irrelevante em termos populacionais que a questão se torna ridícula — se 500 milhões dos cidadãos mais prósperos do planeta não conseguem absorver dois milhões de refugiados, mal vai o mundo.

Ainda assim, a União está completamente dividida em dois campos: de um lado os que pregam a tolerância e a integração, onde quase só se inclui Angela Merkel; do outro estão os populistas do Sul que usam os migrantes para diabolizar o estrangeiro e que ficam bem acompanhados na xenofobia mal disfarçada dos riquíssimos parceiros a norte. 

O verdadeiro problema não é que Merkel seja incapaz de defender as suas ideias dentro do próprio Governo. Ou que os italianos se disponham a levar uma bofetada de luva branca do Governo espanhol que está a prazo. O problema é a incapacidade da UE em decidir uma política coerente para todo o território, capaz de enterrar esta questão de uma vez por todas. 

Sim, a França tem um problema sério de integração de imigrantes. Sim, o caso italiano foi extremamente mal gerido e ajudou à tomada de poder em Roma pelos populistas. Sim, a relação com a Turquia recuou dezenas de anos, em parte porque o problema dos refugiados ocorreu quando Erdogan quis avançar no processo ditatorial em Ancara. Mas isto é incompetência política, pouco tem que ver com a questão de fundo. A razão para não querer migrantes é epidérmica, daquelas que são motivadas apenas pelo medo face a quem desconhecemos. Vem do mesmo sítio que o racismo, a misoginia e o puro ódio. Vem do triunfo absoluto da ignorância.