Crítica

De olhos mal fechados

É muito, muito entediante e, de forma ironicamente fiel à sua temática, um convite permanente a que fechemos os olhos.

Uma “filosofia” inspiradora digna de magazine domingueiro: <i>Esplendor</i>, de Naomi Kawase
Fotogaleria
Uma “filosofia” inspiradora digna de magazine domingueiro: Esplendor, de Naomi Kawase
Sobrancelha, bochecha
Fotogaleria
Naomi Kawase, radiância, filme
Fotogaleria
Naomi Kawase, Radiance, Ayame Misaki, Festival Internacional de Cinema de Valladolid, Festival Internacional de Cinema de São Paulo, Cinema
Fotogaleria
Naomi Kawase, Masatoshi Nagase, Radiance, Film
Fotogaleria

Em Esplendor, Naomi Kawase aborda uma questão plena de precedentes, tão “poéticos” como “teóricos”: a relação entre a emoção e os sentidos, em especial o sentido da visão, naturalmente uma relação fulcral quando se trata das “artes da imagem”, e do cinema em particular (e, de Godard a Skorecki, com maior ou menor ironia teórica e justeza poética, quantas vezes não se leu já que para se ver um filme é preciso começar por “ter os olhos bem fechados”).

Temos então, em Esplendor, o encontro entre duas personagens que se debatem com o “fechamento dos olhos”: uma mulher que trabalha na adaptação de filmes para espectadores invisuais, através de uma narração audio, e um fotógrafo que, por doença, está gradualmente a perder a visão.

O que Kawase faz com isto, no entanto, é do menos interessante que se pode imaginar: acentuando o que tem sido a infeliz marca dos seus últimos filmes, tudo parece ter como método e como meta um sentimentalismo muito light, uma “filosofia” inspiradora digna de magazine domingueiro, que ao mesmo tempo parece — e é — uma versão adocicada até à náusea do carácter “místico” que o cinema japonês representa para muitos espectadores ocidentais (e, de resto, conforme o atesta boa parte da sua obra, ninguém é hoje tão “especialista” em “cinema japonês para estrangeiros” como Naomi Kawase).

Como é de “emoção” que se trata, abundam os diálogos à procura de um profundidade que no entanto nunca passa da superfície, nem faltam, às carradas, os planos em contraluz de pores do sol com música de pianinho por cima, dir-se-ia capazes de envergonharem o próprio Terrence Malick, grande utilizador e abusador do processo. É muito, muito entediante e, de forma ironicamente fiel à sua temática, um convite permanente a que fechemos os olhos.