Bombeiros não fazem socorro nas praias porque ISN não disponibiliza meios

Face à total descapitalização de recursos, Bombeiros Voluntários do Concelho de Espinho declinam intervenção até formalização de protocolo e atribuição dos meios adequados, diz comando.

Bombeiros dizem não ter meios de salvamento
Foto
Bombeiros dizem não ter meios de salvamento Adriano Miranda

Os Bombeiros Voluntários do Concelho de Espinho (BVCE) cessaram a actividade de socorro e salvamento nas praias "até à atribuição dos meios adequados" por parte do Instituto de Socorros a Náufragos (ISN), revelou hoje o comando em comunicado.

"Face à total descapitalização de recursos que prossegue este ano, comunicámos no dia 10 ao director do ISN a cessação da actividade de socorro e salvamento a náufragos, declinando qualquer intervenção nesse sentido até formalização de competente protocolo e atribuição dos meios adequados", descreve o comando dos BVCE.

Alertando para uma "drástica redução de meios", os BVCE sustentam que "o ISN, autoridade competente nesta matéria, terá que assumir as consequências que possam vir a decorrer" desta decisão.

Aquela que é a primeira corporação em Portugal a resultar da fusão de dois corpos de bombeiros autónomos explica que essa decisão se deve ao facto de o ISN ter deixado de ceder-lhes a moto 4x4 que, só em 2017, interveio em 24 salvamentos ao longo da costa no concelho de Espinho.

"O único equipamento disponibilizado actualmente pelo ISN é uma embarcação de pequeno porte com mais de 30 anos e cujo atrelado e motor são propriedade do Corpo de Bombeiros", alertam os BVCE.

De acordo com aquela corporação, esta opção do ISN "segue em linha com a total subtracção de meios e recursos que tem vindo a ser levada a cabo pelo ISN em Espinho".

Como exemplo desse empobrecimento material, o comando da corporação refere três outras "não-reposições" em anos recentes: a de um veículo do ISN substituído pelo corpo de bombeiros em 2008, a do atrelado e motor da embarcação também repostos a expensas da corporação em 2016 e a de uma moto-de-água que deixou de ficar disponível em 2011.

Relativamente a este último caso, o BVCE nota que se trata do "meio de socorro mais adequado para Espinho face à inexistência de entrada adequada para embarcações".

Os BVCE alertaram para esse problema já em 2017, mas "o pedido não pôde ser acolhido por alegada escassez de recursos", descreve o comunicado.

A corporação diz estar a "substituir-se à incapacidade operacional do ISN, investindo numa área da exclusiva competência da Autoridade Marítima – cujos meios de salvamento mais próximos se encontram em Leixões", a uma distância de mais de 20 milhas náuticas (o que corresponderá a cerca de 32 quilómetros).

Pedro Louro, comandante dos BVCE, diz que também já manifestou ao ISN a sua preocupação "sobre missões de socorro que não são da jurisdição da corporação nem tão pouco da competência" da corporação.

Para o responsável, tal não invalida que, "ao longo dos anos e com a prestimosa colaboração de surfistas", os BVCE tenham "garantido o salvamento a náufragos com meios complementares".

"Não vamos mendigar qualquer recurso. Estaremos disponíveis para continuar a colaborar nesta área desde que nos atribuam os recursos adequados e formalizem os termos da nossa colaboração. Até lá, é muito importante que a população perceba que esta não é uma responsabilidade do corpo de bombeiros", esclarece o comandante.

Contactada pela Lusa a Autoridade Marítima Nacional e o ISN, essas entidades remeteram para mais tarde um esclarecimento sobre o assunto.