Uma “pequena loucura” ou um novo “Verão Quente”?

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, aludiu à hipótese de atrair para a Luz um ou mais dos jogadores que avançaram para a rescisão por justa causa do contrato que os ligava ao Sporting

Luís Filipe Vieira, Benfica, Taça Eusébio, Portugal, Primeira Liga
Foto
Filipe Vieira Miguel Manso

E se, na próxima época, um ou mais dos seis jogadores que já invocaram justa causa para rescindir contrato com o Sporting vestisse a camisola do Benfica? O presidente do emblema “encarnado”, Luís Filipe Vieira, aludiu a essa possibilidade durante a Assembleia-Geral de segunda-feira à noite, descrevendo-a como “uma pequena loucura”. Mas o adjectivo talvez não seja o mais apropriado porque, a acontecer, isso representaria (mais) um terramoto no futebol português. E teria o sabor a desforra pelo que aconteceu no intitulado “Verão Quente” de 1993, quando os “leões” aliciaram vários futebolistas do rival.

“Vou fazer uma pequena loucura, que se calhar não devia. Mas vou. Há 25 anos brincaram connosco, mas não brincam mais”, disse Luís Filipe Vieira na reunião magna dos sócios do Benfica, que se prolongou pela madrugada de terça-feira. Durante esta terça-feira foi noticiado por vários meios o alegado interesse dos “encarnados” em Bruno Fernandes e Gelson Martins (pelo menos), incluindo a existência de um pré-acordo, mas nada de substantivo foi apresentado para além da rivalidade e ressentimento de duas décadas e meia.

Há 25 anos o Benfica passava por dificuldades financeiras e o Sporting aproveitou para atrair algumas das principais figuras do rival. Paulo Sousa e Pacheco rescindiram os respectivos contratos devido a atraso no pagamento dos salários e atravessaram a Segunda Circular. João Vieira Pinto esteve perto de segui-los, mas voltou atrás e continuou na Luz (a mudança viria a consumar-se alguns anos mais tarde, em 2000). Foi uma época “rica em acontecimentos”, pode ler-se no Almanaque do Sporting, de Rui Tovar, editado em 2004 pela Almanaxi Editora. “Sousa Cintra aproveitou a instabilidade do Benfica para ir buscar Paulo Sousa e Pacheco. João Pinto esteve quase em Alvalade, mas um ‘forcing’ final de Jorge de Brito, presidente do Benfica, fez o ‘menino de ouro’ regressar à Luz”, acrescenta a obra.

“Os jogadores estavam disponíveis, não fiz mais que a minha obrigação. Sempre respeitei todos os clubes, incluindo o Benfica, mas estava a defender o meu. Esse Verão foi uma novela e das grandes. Os adeptos ficaram eufóricos. Depois o Benfica conseguiu resgatar o João Pinto, pagou-lhe mais. Contratei jogadores que estavam disponíveis. Eles [Sousa e Pacheco] é que quiseram sair, ninguém lhes apontou uma pistola”, recordava Sousa Cintra, em declarações ao jornal i, em 2013.

Só que a proeza não teve um desfecho feliz para o Sporting, que “não aguentou tantas peripécias, fracassou uma vez mais e terminou o campeonato em terceiro”, lê-se no Almanaque do Sporting. E a estocada mais cruel para os “leões” foi desferida por aquele futebolista que voltou atrás: “João Vieira Pinto é o grande responsável pela estrondosa vitória benfiquista em Alvalade (os tais 6-3) e tira o Sporting do caminho do título.”

Tudo isto poderiam ser águas passadas, só que não. A rivalidade teve em anos recentes alguns episódios de jogadores a trocar de camisola – Yannick Djaló e Carrillo, por exemplo – mas se algum dos seis futebolistas que agora rescindiram por justa causa (Rui Patrício, William Carvalho, Bruno Fernandes, Daniel Podence, Bruno Fernandes e Bas Dost) viesse a rumar à Luz, representaria uma machadada profunda numa relação já pouco cordial.

Enquanto não há novidades nessa frente, o Sporting prometeu apresentar “na próxima semana” a equipa técnica que vai liderar os “leões” na temporada 2018-19, num comunicado onde esclarecia ainda que Nélson e Tiago, treinadores de guarda-redes, mantêm-se em funções. Antes, na sexta-feira, serão conhecidas as equipas médicas para a equipa principal, sub-23, escalões de formação e futebol feminino – médicos, cirurgiões, fisiatras, fisioterapeutas, enfermeiros”. Em Maio o Sporting anunciou o regresso de Augusto Inácio ao clube para assumir as funções de director geral do futebol.