Sindika Dokolo devolve a Angola novas peças da cultura Chokwe

Fundação do genro do ex-Presidente José Eduardo dos Santos continua trabalho de recuperação de património pilhado nos anos da Guerra Civil angolana.

Algumas das peças agora devolvidas a Angola
Fotogaleria
Algumas das peças agora devolvidas a Angola Fundação Sindika Dokolo
Sindika Dokolo na Galeria Municipal do Porto, em 2015
Fotogaleria
Sindika Dokolo na Galeria Municipal do Porto, em 2015 Maria João Gala

Duas máscaras de raparigas, uma taça, um tamborete, um cachimbo e uma cadeira são as seis peças que a Fundação Sindika Dokolo devolveu esta quinta-feira ao Museu do Dundo, instituição no nordeste de Angola que é o repositório do riquíssimo património cultural do povo Chokwe.

A entrega realizou-se em Bruxelas, sede da fundação criada pelo genro do ex-Presidente angolano José Eduardo dos Santos, e marido da empresária Isabel dos Santos. As peças foram recebidas pelo embaixador angolano na Bélgica e pela directora dos Arquivos Nacionais de Angola.

Na cerimónia, reportada pelo jornal francês Le Monde, Sindika Dokolo defendeu que “África tem necessidade deste autoconhecimento”, e que a sua identidade “tem de redefinir-se em volta desta herança que até agora lhe tem estado muito pouco acessível”.

Sindika Dokolo, nascido na República Democrática do Congo e também com nacionalidade angolana por via do seu casamento com Isabel dos Santos, é um dos maiores coleccionadores de arte clássica africana. Através da sua fundação – que em 2016 adquiriu no Porto o edifício que Eduardo Souto de Moura projectou para ser a Casa do Cinema Manoel de Oliveira, destino que não chegou a ser cumprido –, Dokolo iniciou em 2015 um trabalho de recuperação do património cultural angolano. Muito dele saqueado de diferentes instituições nos anos da Guerra Civil (1975-2002), que se sucedeu à independência do país após o 25 de Abril de 1974 em Portugal.

Entre o primeiro conjunto de onze peças já recuperadas estão exemplares do artesanato Chokwe, considerado um dos mais ricos do país. E nas seis obras agora devolvidas está mesmo uma máscara de rapariga (Mwana Pwo) que pertenceu à colecção pessoal de Sindika Dokolo, que a adquirira em Nova Iorque, em 2007.

Muitas das peças desaparecidas de Angola, e nomeadamente do Museu do Dundo – situado na cidade mineira com o mesmo nome na fronteira com a República Democrática do Congo e fundado em 1936 pela companhia Diamang –, encontram-se actualmente na posse de coleccionadores europeus.

 A beleza e o poder da arte africana

A importância do artesanato Chokwe foi sendo reconhecida com as campanhas que a empresa Diamang (um conglomerado de investidores internacionais a quem o Governo colonial português atribuiu a concessão da exploração de diamantes em Angola nas primeiras décadas do século XX) foi realizando, tendo reunido vários milhares de peças.

Neste levantamento teve particular relevância – recorda o Le MondeMarie-Louise Bastin (1918-2000), uma investigadora belga que nas décadas de 60-70 realizou trabalho de campo no Museu do Dundo, mas também em museus europeus com importantes espólios etnográficos dessa cultura, nomeadamente em Bruxelas, mas também em Lisboa, Coimbra e Porto (cuja Universidade viria a conferir-lhe o título de doutor honoris causa em 1999).

“É claro que a Diamang procurava uma forma de legitimação atribuindo recursos ao Museu [do Dungo], mas é isso que, hoje, nos permite dispor de uma documentação importante: as obras foram fotografadas, descritas e inventariadas”, lembrou esta quinta-feira em Bruxelas Agnès Lacaille, investigadora da Fundação Sindika Dokolo e que anteriormente trabalhou com as colecções do Museu Real da África Central, na capital belga.

Na cerimónia realizada num luxuoso hotel do bairro de Sablons, estiveram presentes vários coleccionadores, antiquários e galeristas. Sindika Dokolo preocupou-se em sossegá-los relativamente à acção que está a ser desenvolvida pela sua fundação: “É importante que os coleccionadores e os comerciantes entendam melhor a nossa acção, porque eles revelaram ao mundo a beleza e o poder da arte africana. O mercado não vai desaparecer num processo que não seja legítimo”, disse o coleccionador africano, recusando o recurso a meios mais aguerridos de recuperação deste património.

“Nós podíamos partir para a guerra para conseguir o regresso das peças mais importantes e simbólicas, mas essa não nos parece a via mais eficaz”, acrescentou Agnès Lacaille.

De resto, os 11 objectos até agora recuperados pela fundação foram-no através de negociação com os actuais proprietários, que ou os devolveram de graça ou os venderam a preços abaixo do valor de mercado, refere o Le Monde, mas sem que Sindika Dokolo tivesse revelado os números.