Linda Martini, B Fachada e Black Bombaim: o Stereo do Curtas é em português

Anunciado o programa de filmes-concerto Stereo do Curtas Vila do Conde.

Concerto de rock, baixista, guitarra, músico
Foto
La Coquille et le Clergyman fica para Linda Martini

É em português, e quase inteiramente em português, que se preenche este ano o programa de filmes-concerto Stereo do Curtas Vila do Conde. A 26ª edição do festival nortenho, este ano a ter lugar entre 14 e 22 de Julho, preenche-se com cinco noites de música com os Linda Martini, B Fachada e os Black Bombaim a musicarem filmes pré-existentes em exclusivo para o Curtas. Aos Linda Martini caberá “encerrar” o programa, no dia 21, ilustrando La Coquille et le Clergyman, média-metragem surrealista realizada em 1928 pela cineasta Germaine Dulac sobre um argumento de Antonin Artaud; os Black Bombaim, por seu lado, irão abri-lo, a 14, em colaboração com o artista João Pais Filipe, para o filme experimental de 2011 de Wolfgang Lehmann Dragonflies with Birds and Snake, sobre o ciclo de vida das libélulas. B Fachada, por seu lado, musicará a 20 The Cameraman/O Homem da Manivela (1928), de Edward Sedgwick, uma das últimas grandes comédias mudas de Buster Keaton, presença recorrente no Curtas ao longo dos anos.

O programa completa-se, a 18, com a dupla de longa data formada por Joana Gama e Luís Fernandes, numa apresentação em palco do álbum At the Still Point of the Turning World, inspirada pela poesia de T. S. Eliot, com criação de imagem ao vivo por Miguel C. Tavares. E, a 19, será a vez de Moor Mother, “alter ego” da poeta e compositora de Filadélfia Camae Ayewa, em residência artística em Vila do Conde, apresentar um espectáculo inédito, criado em parceria com o artista multidisciplinar Jonathan Uliel Saldanha, do colectivo Soopa, e com criação de imagem a cargo dos realizadores André Tentugal e Vasco Mendes.

Os cinco espectáculos têm lugar no Teatro Municipal de Vila do Conde, sempre às 23h, com bilhetes entre os 7 e os 14 euros. Mais pormenores em www.curtas.pt