Infra-estruturas de Portugal prevê intervir em 250 passagens de nível para reduzir sinistralidade

Asfalto, superfície da estrada
Foto
nelson garrido

A Infra-estruturas de Portugal (IP) prevê suprimir ou automatizar mais de 250 passagens de nível (PN) até 2022 com o objectivo de reduzir a sinistralidade, que no ano passado se fixou num total de 17 acidentes, causando seis mortos.

Os dados mais recentes de sinistralidade e os planos de investimento para o reforço da segurança nas passagens de nível são apresentados pela empresa na quinta-feira em Lagoa, no Algarve, para assinalar o Dia Internacional para a Segurança em Passagens de Nível.

Segundo estes dados da IP, a que a Lusa teve acesso, no ano passado foram registados 17 acidentes em passagens de nível, quatro deles com peões e 13 deles com viaturas.

Destes 17 acidentes resultaram seis mortos, tinha indicado em Abril a empresa à Lusa.

A IP salientou que este número de acidentes se repete anualmente desde 2015, mas representa uma redução de 89% dos níveis de sinistralidade em PN, desde 1999.

Em 1999 existiam na Rede Ferroviária Nacional 2494 passagens de nível, nas quais, nesse ano, se registaram um total de 154 acidentes, destacou ainda a empresa pública.

"A maioria das colisões e colhidas que ocorrem em passagens de nível resultam do não respeito, por descuido ou em consciente transgressão, da sinalização existente no local", considerou.

A IP realçou o esforço que tem vindo a desenvolver para acabar com as PN, através da construção de passagens desniveladas e de automatização de passagens de nível, com um valor de investimento estimado de aproximadamente 100 milhões de euros.

Até 2022 deverão ser suprimidas e ou automatizadas, para maior segurança, 253 PN, esperando a IP, "com o cumprimento deste objectivo, reduzir o número total de passagens de nível para um valor inferior a 750".

Segundo o Plano de Investimentos para Passagens de Nível 2018-2022, está prevista a supressão de 104 PN, com um custo estimado de 75,8 milhões de euros, e a automatização de outras 149, ao que corresponde um investimento de 21 milhões de euros.

"Estas acções, que incluem a construção de desnivelamentos, a automatização de passagens de nível ou intervenções para a mitigação do risco (actuando no equipamento das passagens de nível e/ou nos acessos), têm como objectivo atingir em 2021 um valor não superior a 16 acidentes em passagens de nível", referiu, em Abril, a empresa, numa resposta enviada a Lusa.

Este processo é financiado através das componentes Ferrovia 2020 (um programa de investimento na modernização da Rede Ferroviária Nacional, cofinanciado pela União Europeia) e o Plano de Proximidade 2022.

O Dia Internacional para a Segurança em Passagens de Nível tem como objectivo a divulgação de informação e sensibilizar, peões e automobilistas, para a necessidade do cumprimento das regras e adopção de comportamentos seguros no atravessamento da via-férrea.