O mistério das setas desaparecidas

A direcção de Rui Rio remodelou o site do partido e fez sumir todas as setas que antes estavam no logótipo do PSD. Virgínia Estorninho, militante histórica, já apresentou uma reclamação.

Nova imagem do PSD
Fotogaleria
Nova imagem do PSD
As setas aparecem em eventos, mas já não existem no site do PSD
Fotogaleria
As setas aparecem em eventos, mas já não existem no site do PSD LUSA/MANUEL FERNANDO ARAÚJO
Festa do Pontal: as setas
Fotogaleria
Festa do Pontal: as setas LUSA/HOMEM DE GOUVEIA
Bandeira do PSD
Fotogaleria
Bandeira do PSD ADRIANO MIRANDA
Mais setas, diferentes, num congresso do PSD
Fotogaleria
Mais setas, diferentes, num congresso do PSD Miguel Manso
No conselho nacional, houve quem se queixasse da ausência das setas no site do partido
Fotogaleria
No conselho nacional, houve quem se queixasse da ausência das setas no site do partido LUSA/Paulo Cunha

Virgínia Estorninho é uma militante histórica do PSD, mais conhecida no partido do que o novo símbolo social-democrata que perdeu as três setas quase sem ninguém ter dado por isso. Deu ela, que no último conselho nacional já reclamou presencialmente e voltou a reclamar, por telefone, junto do secretário-geral do PSD. "Tiraram-nos as setas, e enfiaram-nos num quadrado laranja. Não admito isso", diz ao PÚBLICO, queixando-se de que estão a apagar a identidade do PSD.

O logótipo do Povo Livre, da PSD TV e da página online do partido foi reciclado já depois do último congresso e o ar de modernidade (símbolo só com letras) não agrada a Virgínia Estorninho nem a outros sociais-democratas da distrital de Lisboa, que foram apanhados de surpresa. "Se as setas não foram repostas, organizo uma manifestação à porta da sede do PSD", garante a militante, explicando que, apesar de não ter dado prazo ao secretário-geral, José Silvano, para repor a imagem, planeia concretizar a ameaça.

Ao PÚBLICO, José Silvano afirma que a alteração foi feita antes de ocupar o cargo de secretário-geral, mas admite que o símbolo original do partido pode vir a ser colocado no site. Ainda assim, sublinha: “As setas estão em quase todos os documentos oficiais. O site foi criado com um novo desenho. Vamos ver se acrescentamos o símbolo”.

Entretanto, Rui Rio garantiu que "não há nenhuma opção política de cortar com o símbolo do partido" desde logo porque "os estatutos do PSD, e bem, não o permitem".

"Em tudo aquilo que possam ser documentos oficiais estarão as setas do partido, há depois uma componente de imagem e 'marketing' que vai mudando ao longo do tempo", acrescentou. "Eu sou da fundação do PSD, serei o último a ferir a história do PSD".

Desenhadas em sobreposição, as setas eram usadas pelos sociais-democratas, ao início, para "anularem a cruz suástica, símbolo do regime nazi", conta a deputada municipal de Lisboa que entrou no PSD pela mão de Francisco Sá Carneiro, em 1974. "Inicialmente, discutiu-se o uso das três setas de cores diferentes: uma preta, uma vermelha e outra branca", conta. Era uma para cada valor da social-democracia - a liberdade, a igualdade e a solidariedade -, mostrando que a democracia só existiria verdadeiramente se fosse política, económica e social. A preta recordava os movimentos libertários do século passado, a vermelha lembrava as lutas das classes trabalhadoras e a branca apontava o personalismo. 

No site do partido, o símbolo é descrito como algo que nasceu espontaneamente "na luta dos militantes sociais-democratas contra o nazismo". As setas simbolizavam "os três factores do movimento: o poder político e intelectual; a força económica e social; e a força física. O seu paralelismo exprimia o pensamento da frente unida: tudo devia ser mobilizado contra o inimigo comum - o nazismo (...). Lembrava aos sociais-democratas as qualidades fundamentais que lhes eram exigidas: a actividade, a disciplina e a união."

Na mais recente actualização do programa do partido, em 2012, o documento passou a dividir-se em três áreas – “um princípio personalista”, “um juízo realista” e uma política popular e democrática: a social-democracia portuguesa” - que correspondem precisamente ao número de setas.

As setas, argumenta a santanista Virgínia Estorninho, fazem parte da memória do partido. "São a sua identidade." E não é uma, nem duas. São três. Em tempos, Durão Barroso tentou fundi-las numa seta estilizada, mas a militante histórica fê-lo recuar. "Enquanto eu tiver um bocadinho de força..." com Sofia Rodrigues

*Actualizada no dia 6 de Junho com a posição de Rui Rio