No Castelo há um novo miradouro sobre a cidade

É um dois-em-um: abre-se a torre da Igreja de Santa Cruz do Castelo, abre-se também um templo quase desconhecido.

Casa, área urbana
Fotogaleria
Miguel Manso
Janela, casa, telhado, fachada
Fotogaleria
Miguel Manso
Engenharia aeroespacial
Fotogaleria
Miguel Manso
Janela, arte
Fotogaleria
Miguel Manso
Sino da igreja, luz
Fotogaleria

Lisboa ganha esta quinta-feira mais um sítio para lhe admirarem a beleza. A torre da igreja do Castelo foi transformada num miradouro sobre a cidade, de onde há vistas desafogadas sobre São Vicente de Fora, Alfama, Graça, Senhora do Monte, o Mar da Palha e a Outra Banda, as torres de Picoas e a serra de Sintra.

A criação do miradouro vai permitir a abertura da igreja em permanência, revelando a lisboetas e turistas um templo praticamente desconhecido. “Queremos proporcionar uma experiência interpretativa a quem nos visita”, explica Luís Aguiar, da Signinum, empresa de gestão de património cultural responsável pelo projecto. Na igreja estará uma equipa de oito pessoas para vigiar e dar explicações e todos os dias haverá visitas guiadas.

“Eu faço obras, gasto dinheiro, mas tudo isto tem em vista o quê? Manter a igreja fechada? Esta é a minha bandeira: abrir igrejas sem custos para quem as visita”, diz o padre Edgar Clara, que ainda esta semana lançou obras em São Cristóvão e que também tem Santa Cruz do Castelo a seu cargo. Desde 2015 que o pároco tem vontade de abrir a torre como miradouro, cuja receita de bilheteira vai servir para manter as portas da igreja sempre abertas e para futuros trabalhos de restauro.

Lá dentro é possível ver, por exemplo, uma escultura da Santíssima Trindade, em pedra de Ançã, do século XV. “Esta peça tem uma excelente qualidade”, diz Luís Aguiar, destacando a “delicadeza” com que o artista esculpiu as figuras. Deus, sentado, segura Jesus crucificado e, entre ambos, surge uma pomba branca, símbolo do Espírito Santo. Este tipo de peças, muito frequentes durante os séculos XV e XVI, começou a rarear depois do Concílio de Trento.

Para se subir à torre há que aceder a uma dependência fora da igreja, na qual vai estar a bilheteira e uma loja de recordações. Depois atravessam-se uns corredores estreitos, onde ainda há vestígios de pinturas murais de outros tempos, e escala-se uma escadaria esconsa. No topo, além das vistas, estão também os sinos de bronze do século XVIII (como a igreja), que vão deixar o silêncio a que estiveram votados até agora e passarão a tocar todos os meios-dias.

Os bilhetes para a subida à torre vão custar 3,5 euros e o preço das visitas guiadas será de 5 euros. Também vai ser possível fazer reservas para grupos através do site torredaigrejadocastelo.pt. O miradouro vai ser inaugurado esta quinta ao fim da tarde, com a presença do cardeal-patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente.

Sugerir correcção