Equipas de saúde mental devem manter-se dois anos nos locais dos incêndios

Quase 40% das pessoas afectadas pelos incêndios de 2017 e que sentiram necessidade de apoio psicológico dizem não o ter recebido, segundo um inquérito que consta do relatório da comissão de acompanhamento.

,
Foto
Adriano Miranda

As equipas de saúde mental comunitária, que foram responsáveis por perto de cinco mil consultas de psiquiatria e psicologia a pessoas afectadas pelos grandes incêndios de 2017, devem manter-se nas localidades afectadas durante dois anos, antecipa a comissão que acompanhou a população nesta área. Estas equipas continuam, aliás, a fazer primeiras consultas no terreno, tendo até, em Fevereiro e Março passados, registado um aumento de procura “importante”, lê-se no relatório final da comissão de acompanhamento da população afectada pelos incêndios na área da saúde mental que esta terça-feira é divulgado.

Este modelo de equipas (constituídas por médico, psicólogo, enfermeiro e assistente social) deve ser alargado a todo o país, uma vez que nos grandes incêndios de Junho e de Outubro de 2017 ficou demonstrado que constituem um "factor determinante para garantir um apoio adequado" e uma “enorme mais-valia para a eficiência da resposta”, sublinha a comissão, que dá o exemplo do impacto psicológico de menor intensidade observado nos concelhos que já eram servidos por este tipo de resposta, como Oliveira do Hospital, Arganil e Tábua.

Já os resultados de um estudo de opinião - realizado em 26 concelhos afectados pelos grandes incêndios de 2017 e em que foram inquiridas mais de 700 pessoas - indicam que apenas uma minoria (17,9%) referiu ter necessidade de apoio psicológico, tendo este sido prestado principalmente por familiares e amigos, pela câmara municipal e só depois pelos profissionais do centro de saúde. Mas, das pessoas inquiridas que sentiram necessidade de apoio psicológico em consequência dos incêndios, apenas 39,2% referiu ter recebido algum tipo de apoio. 

O impacto negativo mais destacado (por 62,4% dos inquiridos) foi a perda de bens (como roupa e alimentos) e, sintomaticamente, no conjunto dos aspectos percepcionados como positivos no apoio psicossocial, surge, em primeiro lugar, a oferta de bens e só depois o acompanhamento psicológico e a solidariedade.  Dos 58 inquiridos que perderam uma pessoa de família ou amigo durante os incêndios, cerca de um terço vivenciou um processo de luto complicado.

Foi ainda efectuado um outro inquérito, em que foram questionadas 67 entidades locais, como câmaras municipais, juntas de freguesia, centros de saúde e escolas. Estes defenderam que devia ter havido mais coordenação, mais locais de atendimento e menos burocracia na resposta às pessoas afectadas.

Não só consultas de especialidade

Nas conclusões do relatório, a comissão considera muito importante manter “as portas abertas” para as pessoas que ainda não procuraram ajuda e que possam vir a precisar. Sublinha, porém, que não é verdade que todas as vítimas de catástrofes deste género necessitam de consultas de especialidade de grande diferenciação.

Discordando das críticas efectuadas pela associação de apoio às vítimas e várias pessoas afectadas pelos incêndios, que puseram em causa a falta de apoio especializado em trauma, os membros da comissão explicam que se deve ir “passo a passo", por degraus, e que se deve privilegiar uma política de proximidade no local, com o recurso aos cuidados de saúde primários em primeiro lugar. Só depois, se necessário, se recorrerá a consultas de especialidade.

Presidida pelo psiquiatra António Leuschner, a comissão recomenda que se estruture “rapidamente um modelo de respostas de saúde mental” integrado com as respostas gerais em situação de emergência e catástrofe mas com níveis de coordenação “claramente identificados”.

Entretanto, defende, é preciso avançar com programas de formação dirigida aos profissionais no terreno, programas que são incompatíveis “com a proximidade temporal do Verão”. Para colmatar esta lacuna, sugere a difusão de um guia da Organização Mundial de Saúde intitulado “Primeiros Cuidados Psicológicos”.