Soledad Gallego-Díaz apontada como nova directora do El País

Jornalista com uma longa carreira no diário espanhol deverá substituir Antonio Caño.

Espanha, Venezuela, El País, Jornal
Foto
Reuters/ANDREA COMAS

A jornalista Soledad Gallego-Díaz está a ser apontada como a nova directora do jornal espanhol El País, substituindo no cargo Antonio Caño.

A notícia está a ser avançada pelo jornal online El Español, que assegura que o Grupo Prisa, detentor do El País e da portuguesa TVI, está a acertar os últimos detalhes para anunciar a substituição no maior jornal de Espanha.

Soledad Gallego-Díaz, 66 anos, tem uma longa carreira no jornalista e está no El País há mais de 30 anos, tendo já ocupado o cargo de directora adjunta.

Ainda segundo o El Español, Soledad Gallego-Díaz responde ao perfil desejado pela direcção da Prisa: um mulher com um longa carreira no jornalismo e no jornal, querida na redacção e respeitada no sector.

A decisão de afastar António Caño, não desmentida pela Prisa, já é falada há cerca de um mês e acontece numa altura em também deixa o grupo, Juan Luís Cebrián, primeiro director do El País e que actualmente estava na direcção da Prisa.

O jornal El Español, dirigido pelo ex-director do El Mundo, Pedro J. Ramírez, diz que a entrada da nova directora nada tem a ver com a mudança política verificada na semana passada em Espanha, em que o PSOE em coligação com outros partidos, substituiu o PP no Governo. A intenção, acrescenta, visa apostar num perfil mais progressista na direcção do jornal e um regresso às origens.

O El País sempre foi um jornal próximo do PSOE, mas, últimos anos, especialmente na direcção Antonio Caño, tido como mais próximo da direita, tem vindo a cortar essa ligação.

Quando Caño assumiu a direcção, em 2014, o El País tinha uma tiragem de 259 mil exemplares e vendia cerca de 153 mil jornais. Segundo a entidade que controla as tiragens e vendas dos jornais em Espanha, esses números baixaram já este ano 32% e 36%, respectivamente.