Trabalhadores da Autoeuropa exigem mais compensações pelos domingos

Início da laboração contínua está a gerar um novo braço-de-ferro na fábrica de Palmela. Depois dos plenários de hoje, esta quarta-feira a Comissão de Trabalhadores vai reunir-se com os sindicatos.

Auto show, Carro, Carro de tamanho médio, Carro compacto, Sport utility vehicle
Foto
Nos primeiros quatro meses do ano foram produzidos quase 74 mil veículos na fábrica de Palmela, com destaque para o T-Roc REUTERS/Kai Pfaffenbach

Os trabalhadores da Autoeuropa querem que a empresa reabra as negociações, exigindo uma melhoria das compensações por começarem também a trabalhar aos domingos a partir do início de Setembro.

Este foi o resultado dos plenários realizados pela Comissão de Trabalhadores (CT) esta terça-feira, nos quais foram recolhidas assinaturas através de um abaixo-assinado que será entregue à administração nos próximos dias. A CT diz esperar que, na sequência desse abaixo-assinado, a empresa " responda com a disponibilidade negocial que é exigida", de acordo com um comunicado citado pela Lusa.

Esta quarta-feira, a CT, agora liderada por Fausto Dionísio (na sequência da saída de Fernando Gonçalves), vai reunir-se com os sindicatos, o Sindel, afecto à UGT, e o SITE Sul, afecto à CGTP. Isidoro Barradas, do Sindel, afirmou ao PÚBLICO que o encontro servirá para analisar o actual ponto de situação da fábrica e analisar possíveis formas de luta.

Em cima da mesa, por parte da administração, como forma de compensação para o trabalho também aos domingos, com dois turnos (tal como aconteceu com os sábados no início do ano), está o pagamento de um subsídio de turno de 25% e o pagamento “de 125% de um dia normal de trabalho por cada dois turnos trabalhados ao fim de semana”. Destes 125%, 100% são garantidos ao final do mês, ficando o resto de ser pago “trimestralmente de acordo com o cumprimento do volume de produção”, segundo as informações enviadas pela gestão dos trabalhadores. Neste momento, os sábados já estão a ser pagos a 100%, mas num modelo que vigora apenas até às férias de Agosto.

A proposta colocada em cima da mesa pela gestão da Autoeuropa, liderada por Miguel Sanches, inclui uma folga semanal adicional a cada quatro semanas, o gozo de folgas consecutivas, dois fins-de-semana completos “a cada quatro semanas”, e uma semana “de permanência no turno nocturno”.

No documento enviado aos trabalhadores no final de Maio, a administração afirmava que os objectivos, em termos de qualidade e de volume de produção diária do novo modelo, o T-Roc, estavam a ser atingidos, e que essa estabilidade “irá contribuir para uma boa implementação do sistema de 19 turnos semanais após as férias”. Depois de sublinhar que o que consta da proposta está “acima do que a lei prevê”, a gestão diz que na sequência das negociações com a CT “melhorou a sua proposta inicial”, de maneira a que cada trabalhador abrangido pelo novo regime tenha um rendimento mensal “equivalente ao actual, com menos tempo de trabalho”.

No que toca à contraproposta da CT, a administração diz que esta “estava bastante acima dos compromissos orçamentais que a empresa assumiu com a casa-mãe”. De acordo com a Lusa, essa contraproposta implicava que a empresa pagasse até ao final do ano com um acréscimo de 100% um dos dois domingos que cada trabalhador deverá fazer durante o período de um mês, e que, a partir de Janeiro de 2019, todos os domingos fossem pagos com o mesmo acréscimo de 100%.

No comunicado enviado aos trabalhadores, a gestão confirma que após as férias do Verão haverá o incremento de dois T-Roc por hora na área de carroçarias, graças a um aumento da capacidade das linhas, conforme já noticiou o PÚBLICO. Assim, o número de modelos vai passar de 30 para 32 por hora, ou seja, mais 7,7%.  

A última estimativa conhecida da empresa apontava para a produção de cerca de 183.000 T-Roc este ano, de um total de cerca de 240.000 unidades (incluindo aqui o Sharan e Seat Alhambra), mais do que duplicando os valores de 2017. Entre Janeiro e Abril, de acordo com os dados da associação do sector, a ACAP, foram produzidos quase 74 mil veículos, o que representa uma subida homóloga de 160%.

A empresa diz que também que está a “analisar novos investimentos”, de modo a que “as actuais restrições técnicas não sejam um obstáculo ao crescimento da fábrica”.