Opinião

Disney, podes fazer o favor de parar?

A imagem, a fotografia, o filme, o cinema, devem dar-nos acima de tudo incerteza.

Vi a saga Star Wars dezenas de vezes. Dezenas! E estou a ser comedido.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

Grande parte delas foi antes do lançamento dos três segundos filmes que afinal são os três primeiros da saga. Os três últimos, dos quais dois já vieram a público, também os vi.

Para além destes há agora os filmes que nascem das personagens dos filmes originais e que ganham assim uma história própria.

Com tanto filme eu diria: parem! Não estraguem. Não mexam. Há coisas que devem ficar assim. Como eram, como são e como deveriam ser. Inventar filmes e personagens não é bom para os três primeiros filmes que afinal eram os três do meio. Nada bom! Perde-se a magia, perde-se o encanto, perdem-se as tentativas para adivinhar o que os novos filmes trouxeram.

A imagem, seja ela estática ou em movimento, tem tanto de magia quanto maior for a dimensão da sua incerteza.

A imagem, a fotografia, o filme, o cinema, devem dar-nos acima de tudo incerteza. Devem dar-nos capacidade especulativa. Devem dar-nos pólvora para a nossa imaginação.

A beleza da imagem reside no que não está lá. Reside no que não se vê. Reside no que não existe.

É esta a beleza que as sagas do género de Star Wars nos dão. Projectam-nos para um mundo imaginário que construímos a partir do que se vê. Dão-nos a possibilidade de viver um imaginário desenhado por nós a partir dos cenários que vemos, que absorvemos.

E nada há a fazer, ou a viver, quando nos matam o cenário do nosso imaginário com um sem fim de cenários que são nada mais nada menos que reinvenções dos cenários existentes.

E pergunto se não será caso para dizer: Disney, podes fazer o favor de parar?

O autor escreve em desacordo ortográfico