José Fragoso nomeado director de programas da RTP

O jornalista já passou por todas as estações televisivas. Em 2017, numa entrevista ao jornal Sol apontava críticas à RTP, que dizia ter "perdido relevância" ao longo dos últimos anos.

Relações públicas, dispositivo de exibição, palestrante motivacional, comunicação
Fotogaleria
José Fragoso regressa a um cargo que já ocupou Ricardo Jorge Carvalho/Arquivo
,
Fotogaleria
Pedro Cunha

O Conselho de Administração da RTP nomeou José Fragoso para director dos serviços de programas da RTP1 e RTP Internacional, confirmou fonte do gabinete de comunicação da RTP ao PÚBLICO. José Fragoso irá substituir Daniel Deusdado, regressando ao mesmo cargo que desempenhou há dez anos, em 2008, na RTP1.

A decisão foi comunicada através de despacho pelo novo conselho de administração da RTP, constituído por Gonçalo Reis presidente, Hugo Figueiredo e Ana Fonseca. O novo conselho de administração da RTP foi eleito na passada sexta-feira para o mandato 2018-2010, tendo cessado funções Cristina Vaz Tomé e Nuno Artur Silva.

José Fragoso, de 55 anos, foi um dos fundadores da TSF e já passou também pela SIC e TVI, pela RTP1 e pela RTP2. Para além das estações televisivas, o jornalista colaborou com o semanário Expresso e mais tarde integrou o PÚBLICO.

Numa entrevista ao jornal Sol dada no último ano, José Fragoso apontava como um dos seus "grandes momentos" a mudança da SIC para a SIC Notícias. "Repare que ninguém acreditava num projecto de informação 24 horas por dia. Achavam que não fazia sentido haver uma espécie de CNN em Portugal. Hoje há seis ou sete canais de informação, mas na altura ninguém acreditava nisso", sublinhava.

Na mesma entrevista teceu algumas críticas aos actuais moldes televisivos. "Não há diferenciação entre os canais e não se percebe bem porquê. Temos agora seis ou sete canais a darem todos a mesma coisa. É uma mesmice. Até parece que não há ninguém que pense de maneira diferente. Até o próprio telespectador acha aborrecida essa informação. É tudo muito previsível", vincava. 

Sobre a administração da RTP, José Fragoso defendia em 2017 que deveria ser constituída por pessoas "com perfil cultural, com uma visão de Portugal no mundo, que tenha uma perspectiva do que deve ser a RTP daqui a cinco anos". "Quando saí da RTP em cada três portugueses havia um a ver um canal da RTP. Hoje em dia é de um para dez", recordava.

"A RTP perdeu muita relevância ao longo dos últimos anos, desde que Miguel Relvas e Passos Coelho tiveram a ideia de privatizar um dos canais", apontava. "Acabou por não acontecer e a RTP tentou fazer uma adaptação tentando meter num canal a programação dos dois. Isso obrigou a um recomeçar e nunca mais se acertou o passo. A verdade é que a RTP perdeu relevância na sociedade portuguesa e são cada vez menos os que falam dela, o que não acontecia há 10 anos. A RTP corre o risco de perder toda e qualquer relevância", lia-se na entrevista ao Sol.