Greve dos ferroviários pára 90% dos comboios de norte a sul do país

Na zona urbana de Lisboa, a taxa de paralisação atinge os 100%. A greve é um protesto contra a possibilidade de circularem comboios com um único agente.

Infraestrutura, transporte público
Fotogaleria
Adriano Miranda
,
Fotogaleria
Adriano Miranda
Trânsito rápido, trem, transporte ferroviário, estação de trem, estação de trem
Fotogaleria
Adriano Miranda
Trânsito rápido, trem, transporte ferroviário, estação de trem, transporte
Fotogaleria
Adriano Miranda
Além do principal dia de paralisação, a greve afecta parcialmente os serviços de domingo e terça-feira
Fotogaleria
Além do principal dia de paralisação, a greve afecta parcialmente os serviços de domingo e terça-feira patrícia martins

A greve dos trabalhadores ferroviários obrigou esta segunda-feira a uma paralisação de 90% dos comboios de mercadorias e de passageiros em todo o país, segundo o balanço do Sindicato Ferroviário da Revisão e Comercial itinerante (SFRCI).

Segundo disse à agência Lusa Luís Bravo, presidente do sindicato, a taxa de paralisação dos comboios entre as 22h e as 6h30 “está na ordem dos 90% em todo o país”, sendo que nas zonas urbanas chega a atingir os 100%. “Nas zonas urbanas de Lisboa é de 100% e no Porto de 95%”, acrescentou.

Numa nota enviada às redacções, o SFRCI saúda “os trabalhadores do sector ferroviário e os maquinistas em particular “por não cederem a pressões internas e externas comprometidas com o Governo e por não aceitarem violar a lei greve substituindo os revisores em greve”.

Os trabalhadores ferroviários da CP, Medway e Takargo estão em greve contra a possibilidade de circulação de comboios com um único agente. Os sindicatos consideram que "a circulação de comboios só com um agente põe em causa a segurança ferroviária – trabalhadores, utentes e mercadorias", e defendem, por isso, que "é preciso que não subsistam dúvidas no Regulamento Geral de Segurança (RGS)".

Os ferroviários rejeitam alterações ao RGS com o objectivo de reduzir custos operacionais e consideram que a redacção do Regulamento Geral de Segurança, em discussão nos últimos meses, deixa em aberto a possibilidade de os operadores decidirem se colocam um ou dois agentes nos comboios.

Os sindicatos subscritores do pré-aviso de greve prevêem que a paralisação tenha "um grande impacto na circulação de comboios" nesta segunda-feira e a CP admite que deverão ocorrer "fortes perturbações na circulação". Poderá ainda haver atrasos e supressões nas primeiras horas da madrugada e manhã de terça-feira.

A agência Lusa tentou saber se a CP tinha já alguns dados para primeiro balanço, mas até ao momento não foi possível obter mais informação.

Sugerir correcção