Abraço lança campanha para diminuir estigma associado ao VIH

A mensagem da associação é esta: "Todas as pessoas que tomam os anti-retrovirais diariamente conforme prescrito, e que conseguem manter uma carga viral indetectável, não têm risco de transmissão sexual do vírus para um parceiro com VIH negativo."

Água, Lubrificantes Pessoais
Foto
Nelson Garrido

A Abraço vai lançar este mês uma campanha dirigida às pessoas que vivem com VIH e que se encontram em tratamento para não transmitirem sexualmente o vírus.

A campanha é lançada para assinalar o 26.º aniversário da associação Abraço e surgiu a partir do movimento i=i (Indetectável é igual a Intransmissível), lançado no início de 2016 para mudar a definição do que significa viver com o VIH.

"Tem vindo a ser provado que todas as pessoas que tomam os anti-retrovirais diariamente conforme prescrito, e que conseguem manter uma carga viral indetectável, não têm risco de transmissão sexual do vírus para um parceiro com VIH negativo", explicou o presidente da associação, Gonçalo Lobo.

O movimento  i=i é uma iniciativa de equidade em saúde que "visa acabar com a epidemia de VIH e o estigma associado", refere a associação em comunicado, adiantando que a campanha é promovida por uma comunidade global de defensores, activistas, investigadores e mais de 500 parceiros comunitários de 70 países.

O presidente da associação, Gonçalo Lobo, adianta que esta campanha é criada com base em evidências científicas actuais e destina-se a todas as pessoas infectadas e afectadas pelo vírus do VIH e a profissionais de saúde, e tem como principal objectivo a "redução de estigmas como a vergonha, a culpa e o medo, assim como a erradicação do preconceito e da discriminação".