Oito jogos da I Liga investigados por suspeitas de corrupção

Sete deles foram jogos dos três "grandes" que estão actualmente a ser investigados pela Polícia Judiciária. Há ainda o Feirense-Rio Ave, também sob investigação.

SL Benfica, FC Porto, Sporting CP
Foto
A mais recente investigação da Judiciária diz respeito a alegadas tentativas de suborno por parte do Benfica Reuters/CARL RECINE

Actualmente, estão oito jogos da I Liga de futebol sob investigação da Polícia Judiciária, sendo que sete deles envolvem os três "grandes". Este é o balanço feito depois do fim de uma época marcada pelos casos e-Toupeira e Cashball, que envolvem, respectivamente, o Benfica e o Sporting. O FC Porto não fica de fora das investigações, devido ao jogo contra o Estoril de 15 de Janeiro de 2018, caso que ficou conhecido como Estorilgate. Está também a ser investigado o Feirense-Rio Ave, resume o Jornal de Notícias (JN) na edição desta sexta-feira.

Em causa estão suspeitas de crimes como viciação de resultados, pagamento a jogadores de equipas adversárias para facilitar partidas ou combinação de resultados para apostas desportivas. Todos as acusações foram desmentidas pelos respectivos clubes, mas as investigações continuam. Foi criada, até, uma equipa na Procuradoria-geral da República de raiz para a investigação de “crimes praticados no âmbito da actividade de competição desportiva de futebol e crimes conexos”, que iniciou funções em Abril.

Os jogos do Benfica actualmente sob investigação datam da época 2015/2016. São eles a partida contra o Rio Ave, a 26 de Abril de 2016, com atletas do clube de Vila do Conde que afirmam ter sido abordados por um empresário para facilitarem o jogo às “águias”; e o jogo contra o Marítimo, a 8 de Maio do mesmo ano, pela mesma questão: dois jogadores que dizem ter sido abordados por um empresário para facilitar o jogo. Esta última acusação tornou-se conhecida na quarta-feira, numa reportagem da SIC. A um jogador propuseram-lhe 40 mil euros para facilitar o jogo aos “encarnados”; a outro ter-lhe-á sido oferecido um contrato com o Benfica caso o Marítimo perdesse.

Paulo Gonçalves, arguido no caso e-Toupeira e alegado responsável pelos subornos, desmentiu as acusações e garante ter avançado com uma acção judicial.

A partida que opôs o FC Porto ao Estoril, de 15 de Janeiro de 2018, também está a ser investigada. Durante a primeira parte do jogo, a instabilidade da bancada onde estavam os adeptos portistas forçou a que a segunda parte do jogo fosse adiada para 21 de Fevereiro. Entre a primeira e a segunda parte da partida que o FC Porto acabaria por ganhar por 1-3, houve uma transferência de dinheiro dos “azuis e brancos” para os “canarinhos”.

Depois da denúncia anónima de uma alegada reunião entre o maior acionista da SAD do Estoril, a Traffic, e um dirigente do FC Porto, durante o interregno entre as duas partes do jogo, e a transferência de 730 mil euros do FC Porto para o Estoril, alegadamente para pagar dívidas sobre a transferência de Carlos Eduardo para o Al Hilal e a cedência de Licá, o Ministério Público começou a investigar a partida. O director de comunicação dos portistas, Francisco J. Marques, defendeu-se dizendo que se tratava de uma altura em que houve “liquidez” no clube, devido à “venda de bilhetes do jogo com o Liverpool” e que, por isso, se pagaram os valores em dívida com o Estoril.  

Por último, o Sporting, envolvido na operação Cashball depois de um empresário ter disponibilizado ao Ministério Público do Porto gravações áudio onde denunciava um suposto esquema de corrupção desportiva no futebol e andebol. Nas mensagens, o empresário põe a nu a compra de pelo menos oito jogadores, mas apenas quatro atletas foram retidos para investigação. Os jogos a serem investigados dizem respeito à época 2017/2018  e são eles Sporting - Setúbal (11 Agosto de 2017); V. Guimarães- Sporting (19 Agosto); Feirense-Sporting (8 de Setembro) e Moreirense-Sporting (23 Setembro).

O JN faz ainda referência a dezenas de denúncias anónimas que levam os investigadores da Polícia Judiciária na luta contra a corrupção a estudarem casos de “jogos da mala”, uma prática tornada ilegal em 2017, na qual os clubes pagavam a outros como incentivo para ganharem aos rivais. Actualmente, constitui um crime de tráfico de influência e recebimento indevido de vantagem. De todas as denúncias, apenas uma dezena tem actualmente matéria indiciária suficiente para ser investigada e, escreve o JN, envolvem os três "grandes", mas as investigações ainda estão numa fase prematura e não há arguidos.