Militares portugueses atacados na República Centro-Africana

Capacetes azuis envolveram-se mais uma vez em troca de tiros com milícias. Um militar ficou ferido numa perna.

Os militares portugueses participam numa missão das Nações Unidas na RCA
Foto
Os militares portugueses participam numa missão das Nações Unidas na RCA DR

Uma patrulha da Força de Reacção Imediata portuguesa na República Centro-Africana envolveu-se, na terça-feira à tarde, em confrontos com milícias locais, de que resultou um ferido sem gravidade.

Os confrontos aconteceram num bairro de Bambari, a 400 km a nordeste da capital do pais, Bangui, quando a patrulha portuguesa se cruzou com elementos armados, envolvendo-se numa troca de tiros.

Os atacantes fugiram, mas entretanto elementos da população juntaram-se numa atitude de ameaça à presença dos militares, lançando pedras sobre os capacetes azuir portugueses e contra as viaturas. 

Um militar português foi atingido por uma pedra numa perna, tendo de levar quatro pontos. 

É mais um incidente ocorrido naquele país atormentado por conflitos desde 2013, onde os militares portugueses participam numa missão de estabilização das Nações Unidas (MINUSCA) e constituem a única Força de Reacção Imediata desta missão.

No início de março, a 3.ª Força Nacional Destacada (FND) partiu para a República Centro-Africana: um contingente composto por 138 militares, dos quais três da Força Aérea e 135 do Exército, a maioria oriunda do 1.º batalhão de Infantaria Paraquedista.

As autoridades centro-africanas apenas controlam uma pequena parte do território nacional. Num dos países mais pobres do mundo, vários grupos armados disputam províncias pelo controlo de diamantes, ouro e gado.