Team Brunel vence em Cardiff, Dongfeng recupera a liderança

Com apenas duas etapas por cumprir, há três equipas que ainda podem vencer a Volvo Ocean Race 2017-18

Foto
O Team Brunel foi o primeiro a chegar a Cardiff DR

Team Brunel e Dongfeng foram os grandes vencedores da nona e antepenúltima etapa da Volvo Ocean Race (VOR) 2017-18, que terminou nesta terça-feira, em Cardiff. Após um final emocionante devido aos fracos ventos e fortes correntes que se fizeram sentir no canal de Bristol, o Team Brunel derrotou no sprint final o AkzoNobel, enquanto o terceiro lugar do Dongfeng garante à equipa liderada pelo francês Charles Caudrelier o regresso à liderança, devido à má prestação do MAPFRE: os espanhóis terminaram na quinta posição.

No final da sexta etapa, com mais de metade da 13.ª edição da VOR percorrida, o Team Brunel era penúltimo na classificação geral, com apenas 20 pontos, praticamente metade da pontuação do líder MAPFRE (39 pontos). Apenas três etapas depois, a equipa de Bouwe Bekking e Peter Burling já morde os calcanhares aos  favoritos MAPFRE e Dongfeng. Com dois triunfos (ambos em etapas com pontuação a dobrar) e um segundo lugar, o Brunel colocou-se após a chegada ao País de Gales a três pontos da liderança e a luta pela vitória final deixou de ser apenas um despique entre MAPFRE e Dongfeng.

Para cortar a meta em primeiro lugar em Cardiff, a equipa com bandeira da Holanda teve que travar uma luta intensa com o AkzoNobel, liderado pelo também holandês Simeon Tienpont, que comandou a regata durante largos períodos e estabeleceu um novo recorde absoluto de distância percorrida em 24 horas: 602,5 milhas náuticas.

"Estamos muito felizes com este resultado. Bater os dois barcos vermelhos [MAPFRE e Dongfeng] era o nosso objectivo", disse Bouwe Bekking, skipper do Team Brunel, após cruzar a linha de chegada em Cardiff. O holandês afirma que agora “o objectivo é continuar a olhar para a frente”, traçando como meta um triunfo no seu país, onde a prova vai concluir-se: “Reduzimos a diferença para o MAPFRE e o Dongfeng, e a vitória em Haia continua a ser o nosso principal objectivo.”

Apesar de continuar sem conseguir vencer uma etapa, a regularidade do Dongfeng vale à equipa franco-chinesa a liderança da geral. No pódio pela sexta vez, o VO65 liderado por Charles Caudrelier volta ao topo da classificação geral e o skipper francês considera que “vai ser muito interessante para os fãs acompanhar a regata, que está longe de estar terminada”. "É bom [ser primeiro], mas é uma vantagem muito pequena para o MAPFRE e agora também para o Brunel, que está a fazer uma recuperação fantástica. O nível é muito equilibrado e vai ser uma grande luta por todos os lugares”, acrescentou Caudrelier.

Com um modesto quinto lugar, os espanhóis do MAPFRE foram destronados do topo e Xabi Fernández reconhece que não teve “uma etapa fácil”: “Foi doloroso desde o primeiro dia e nunca conseguimos recuperar, mas olhando para a frente sentimo-nos confiantes.”

A Turn The Tide On Plastic, equipa com bandeira de Portugal e das Nações Unidas de Frederico Melo e Bernando Freitas, manteve-se sempre perto do pelotão da frente, mas não conseguiu melhor do que a sexta posição, enquanto o Scallywag, de António Fontes, é o único barco que ainda não concluiu a etapa.