Entrevista

“Vamos ter de voltar a aprender a ter tempo livre”

Os robôs e as máquinas inteligentes vão ocupar cada vez mais postos de trabalhos. “Vamos ter mais tempo livre”, antecipa Ana Sofia de Carvalho, do Grupo Europeu de Ética em Ciências e Novas Tecnologias. Mas isso será um desafio.

,
Foto
A investigadora Ana Sofia Carvalho Nelson Garrido

Por entre os receios de que os robôs e a inteligência artificial roubem empregos, há previsões que mostram algum optimismo: dados recentes da OCDE apontam para 14% de empregos em risco, enquanto estudos anteriores indicavam valores perto da metade do total. Porém, não é razão para celebrar, argumenta a académica Ana Sofia Carvalho, que integra o Grupo Europeu de Ética em Ciências e Novas Tecnologias. Diz que a “perda ainda é significativa” e que “é preciso preparar os 14%”.

Em entrevista ao PÚBLICO, Ana Sofia Carvalho, também directora do Instituto de Bioética da Universidade Católica no Porto, alerta que é fundamental organizar as novas gerações para um futuro em que vai haver menos empregos, mais robôs, mais necessidade de redistribuir e mais tempo livre.

A previsão de 14% da OCDE é bem mais optimista do que as anteriores. O que explica os números tão diferentes?
Em parte, as variações na metodologia. O relatório da OCDE surge como contraponto a um estudo de 2013 de Oxford que prevê 47% de perdas de postos de trabalhos nos EUA devido à automação. O que é realmente preocupante, e que este relatório da OCDE não contradiz, é que não se sai dos dois dígitos. Portanto, 47% é algo que me deixa completamente histérica, agora 14% deixa-me muitíssimo inquieta na mesma.

Mas 14% é uma percentagem mais optimista.
A economia como um todo não tem uma cara. Esses 14% têm uma cara. São pessoas que vão viver um drama, que é o drama do desemprego.  Como se diz, o tempo tudo cura menos o desemprego. É algo que se agrava com o tempo. Pode ter menos impacto sobre as pessoas, mas a dimensão ética não é diferente.

Há ideias como “esta é a quarta revolução industrial e a sociedade subsistiu a todas as outras revoluções industriais”. Mas basta ler [o sociólogo Max] Weber sobre a primeira revolução industrial e o efeito na Alemanha. A sociedade como um todo subsistiu, mas quantas pessoas se suicidaram, quantas pessoas viveram na miséria total?

E quais vão ser os primeiros trabalhos a ser afectados?
O primeiro impacto vai ser na franja mais frágil da sociedade, uma vez mais: tarefas rotineiras, trabalhadores menos qualificados. Teoricamente, nas pessoas em situações mais precárias e nos jovens. Como o relatório da OCDE confirma, há muito mais perigo de desemprego jovem do que de reformas antecipadas. Há um fosso geracional brutal. A quantidade de emprego vai diminuindo, e aqueles que precisam de entrar no mercado de trabalho não conseguem. Têm uma barreira automática com a falta de experiências, e depois há uma quantidade de contratos a prazo, part times involuntários.

A Comissão Europeia defende que a criatividade é uma das grandes barreiras para as máquinas e a inteligência artificial. É preciso reforçar as áreas das humanidades?
Isto é um debate muito recente. Quando começámos a discutir este assunto no Grupo Europeu de Ética e ouvimos diferentes peritos, a ideia era investir nas áreas das ciências e da tecnologia, e nas tarefas associadas à programação. Hoje assiste-se a uma inversão desse discurso, no sentido de dizer que também é importante focar questões associadas à comunicação e à flexibilidade. É preciso voltar a repensar o papel daquilo a que durante décadas chamámos “soft skills”. Mas, mais do que trabalhar em determinadas competências, é preciso trabalhar os valores das pessoas e é algo de que se fala pouco. Com a automação, o mundo vai ser de tal forma diferente que todas as soluções vão ter de ser no sentido de redistribuir e vão obrigar a que as pessoas tenham e pratiquem um conjunto de valores a que não estão habituadas.

Pode dar alguns exemplos específicos?
O rendimento básico universal ou a semana de 15 horas. É partilhar dinheiro, partilhar tempo, partilhar trabalho, é partilhar um conjunto de circunstâncias para diminuir o fosso da desigualdade. E isto obriga a uma mudança muito significativa nos valores das pessoas, e é para isso que também temos de preparar os jovens. Antes de perceber como é que se tem de resolver o problema, é preciso perceber qual é o problema. Devido às circunstâncias vai haver uma ruptura — seja ela encarada como um perigo ou como um desafio. Vamos ter mais tempo livre. Mas as pessoas sabem ter mais tempo livre? Tudo isso obriga a mudanças tão significativas que vamos ter de reestruturar para manter o equilíbrio que permita a dignidade de todos.

Voltando às soft skills: como é que fazem a diferença?
Teoricamente, a nível matemático e científico, a máquina poderá fazer melhor do que o humano, mas a nível relacional, que é o auge do ser humano, este não pode nunca ser substituído pela máquina. É preciso haver equilíbrio: formar bons técnicos, mas também investir em competências essenciais como trabalho em equipa e o pensamento crítico.

PÚBLICO -
Foto
A investigadora Ana Sofia Carvalho Nelson Garrido

No parecer mais recente, o Grupo Europeu de Ética em Ciências e Novas Tecnologias considera um equívoco dizer que a tecnologia ou os algoritmos são autónomos. O que é que se quer dizer com isto?
A autonomia é uma característica do ser humano. Adjectivar uma máquina, computador ou uma inteligência de autónoma não faz sentido. É possível, no entanto, que o ser humano conceda alguma autonomia à tecnologia, mas a última palavra deve ser sempre do ser humano. É sobre estas questões que o Grupo Europeu de Ética se está a pronunciar, especialmente, no caso das armas autónomas de destruição maciça e dos carros autónomos.

Como é que isto se faz? O que está a ser debatido no Grupo Europeu de Ética?
Nós não propomos regulação. Propomos matrizes éticas, que devem ser consideradas quando se vai discutir política. No nosso parecer mais recente, defendemos que a decisão não pode nunca ser de uma máquina. Tem de haver um processo de rastreabilidade para a pessoa. É claro que há tecnologias que precisam de regulação — por exemplo, os veículos autónomos. Esta questão, particularmente com as perdas de trabalho, tem de ser muito da base para o topo.

E qual é a base?
É preciso envolver as pessoas nesta decisão. Há imensos países em que as pessoas estão a ficar revoltadíssimas com a tecnologia. A tecnologia não faz as regulações, nem faz as regras. Quem faz as regras e os regulamentos são os seres humanos. Para evitar este medo — e nós realmente vivemos numa Europa com medo do terrorismo, com medo da emigração e agora com medo da tecnologia — é preciso envolver as pessoas neste debate. Não é difícil, porque é uma área que interessa a todos.

Como é que se envolve as pessoas?
As grandes empresas têm de ter estratégias nesta área. É preciso começar a fazer um mapeamento dos tipos de emprego que podem vir a desaparecer com o investimento em novas tecnologias, e terão de se encontrar estratégias para evitar que as pessoas percam o emprego. Ou, pelo menos, dar-lhes competências para entrar de novo no mercado de trabalho. Temos de parar de fazer treino de competências técnicas para algo que a pessoa já executa.

A robótica vai ter mais impacto do que a inteligência artificial?
Sim. A robótica está aí e já há empresas com uma enorme taxa de robotização. A Adidas montou fábricas de raiz na Alemanha onde consegue produzir uns ténis num terço do tempo que produz no Bangladesh. Se as empresas europeias se deslocalizavam por causa do preço da mão-de-obra, com a robótica podem voltar ao inshoring [abrir operações em solo nacional]. Do ponto de vista macroeconómico, para a Europa, é fantástico, porque aumenta claramente os dividendos. Mas do ponto de vista da pegada e da destruição que deixa nos outros países, é uma circunstância muito complicada. E todos falam da deslocalização só num sentido. Isto também são impactos éticos.

Já a inteligência artificial, há quem diga que está longe, há quem diga que está perto. Mas ainda não é claro e provoca consequências diferentes. A robótica substitui tarefas rotineiras e não cognitivas, já a inteligência artificial substitui tarefas não rotineiras e cognitivas.

Mesmo ao nível da criatividade?
Não sei. Há imensas experiências na área da medicina. Experiências com “professores” que têm inteligência artificial e conseguem responder aos alunos 24 horas por dia, sete dias por semana. Conseguem sempre perceber se o aluno está a gostar ou se é preciso alterar alguma coisa. O grande impacto será claramente ao nível da robótica e da diminuição tendencialmente significativa da perda do número de postos de trabalho disponíveis. E não interessa se estamos a falar de 14%, ou se estamos a falar de 47%, é sempre significativa.

E o lado positivo da robótica e da automação?
Vamos ter muito mais tempo para fazer voluntariado, tomar conta dos filhos e eventualmente isso até será pago. Mas isso obriga a uma mudança radical da vida social, e nós não estamos preparados para isso. Ao contrário do que toda a gente imaginaria, os telemóveis e computadores não diminuíram o número de horas que passamos a trabalhar. As pessoas trabalham muito mais do que há uns anos. Fazemos Porto-Lisboa de comboio e conseguimos estar a mandar emails e a receber relatórios, o que não se fazia há uns anos, quando podíamos ler um livro descansados. Fomos habituados a trabalhar loucamente, e agora dizem-nos que não vamos conseguir continuar a fazer isto e, por isso, vamos ter de fazer redefinições e vamos ter de voltar a aprender a ter tempo livre.