Platini exige correcção da FIFA

Ex-presidente da UEFA poderá ser "ilibado" criminalmente pela justiça suíça, mas deverá manter a suspensão de quatro anos decretada pelo TAS.

Michel Platini, seleção de futebol da França, jogador de futebol
Foto
REUTERS/Eric Gaillard

Michel Platini, ex-presidente da UEFA, considerou este sábado que não pode continuar suspenso, depois de ter sido supostamente absolvido pela justiça suíça no caso de um pagamento não orçamentado pela FIFA.

"Espero que a FIFA tenha a coragem e a decência de levantar a minha suspensão, porque a justiça decidiu que eu não recebi qualquer pagamento ilegal", disse Platini à AFP.

Uma carta enviada por um tribunal suíço ao advogado de Platini - entretanto publicada pelo Le Monde - sugere que o processo judicial respeitante ao pagamento de 1,8 milhões de euros ao francês foi encerrado.

Contudo, uma fonte do Ministério Público suíço adiantou que o processo contra Platini e Blatter "ainda não está definitivamente concluído".

Na sequência deste caso, Platini e Blatter foram suspensos pela FIFA, por oito anos. Penas reduzidas para seis anos pelo comité de recurso do organismo que tutela o futebol mundial e, posteriormente, para quatro anos, pelo Tribunal Arbitral do Desporto (TAS).

"Foi muito difícil. A FIFA apenas comunicou para me massacrar mediaticamente. Mas quando a minha pena foi reduzida (...), quando nenhum caso de corrupção foi comprovado contra mim, as pessoas perceberam: tudo foi feito para me afastar da presidência da FIFA", disse Platini.

A FIFA já reagiu a este pedido de Platini, lembrando que o francês está suspenso "por violação do código de ética" e que o TAS "confirmou as acusações, mas reduziu a duração da suspensão".

"Sempre foi claro para a FIFA como para o TAS que Platini nunca seria visado por um inquérito criminal na Suíça. Os elementos de um acto criminal na lei suíça são diferentes daqueles previstos pelo código de ética da FIFA", concluiu o organismo em comunicado.

Para Blatter, esta decisão da justiça suíça é "um sinal positivo", que o deixa "mais confiante" para a definição da sua situação.