Homenagem a Mário Soares e a António Arnaut

22º Congresso do PS com militantes junto aos delegados.

O líder-fundador Mário Soares vai ser homenageado no 22º Congresso do PS
Foto
O líder-fundador Mário Soares vai ser homenageado no 22º Congresso do PS Nelson Garrido

Uma homenagem ao líder-fundador, Mário Soares, falecido a 7 de Janeiro de 2017, assinala a abertura do 22.º Congresso do PS, na sexta-feira, 25 de Maio, às 19h30. Segue-se o discurso inaugural do secretário-geral, António Costa, explicou ao PÚBLICO, Manuel Portugal Lage, presidente da Comissão Organizadora do Congresso (COC).

Neste Congresso, a COC decidiu fazer uma alteração de fundo nas condições dadas aos militantes para participarem, explicou ao PÚBLICO Manuel Portugal Lage: “Não haverá convidados, os militantes serão credenciados com esse estatuto e, em vez de ficarem nas bancadas laterais, poderão circular por todo o recinto e estar junto aos delegados”, afirmou, precisando que, “quanto às votações, só os delegados eleitos poderão e terão cartão para votar, os militantes e os delegados por inerência não terão direito a voto.”

No sábado de manhã, será a vez de o PS prestar homenagem a Antonio Arnaut, presidente honorário do partido e também seu fundador. Nessa manhã, ocorre também a intervenção do presidente do PS, Carlos César. O dia será dedicado ao debate das moções de estratégia global, apresentadas pelo secretário-geral, António Costa, e Daniel Adrião que concorreu também às eleições directas de 11 e 12 de Maio. Paralelamente, numa outra sala, serão debatidas as alterações aos Estatutos do PS, concretamente a proposta da direcção e a de Adrião. As votações das moções de estratégia ocorrem sábado ao fim da tarde, encerrando o dia de trabalhos. A votação dos estatutos é domingo de manhã.

No domingo de manhã são eleitos os órgãos de direcção. Enquanto decorrem essas votações, os delegados debaterão as 24 moções sectoriais que foram apresentadas a este congresso, uma discussão que normalmente é adiada para a comissão nacional seguinte, mas que a organização do 22.º Congresso quis que, desta vez, fosse feita pelos delegados. O congresso termina com a intervenção final de António Costa, à hora do almoço de domingo.