Aviação

Costa exige da ANAC "prontidão" para melhorar condições no Aeroporto da Madeira

O primeiro-ministro realçou que o funcionamento do aeroporto é essencial para a região. No primeiro semestre deste ano, 78 mil passageiros foram já afectados devido aos ventos fortes.
Foto
HOMEM DE GOUVEIA

O primeiro-ministro disse esta segunda-feira, no Funchal, que é necessário melhorar as condições técnicas da operação do Aeroporto Internacional da Madeira Cristiano Ronaldo, o que passa por exigir à Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) estudos com a "prontidão possível".

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

"Tudo deve ser feito do ponto de vista técnico para assegurar essas condições", afirmou António Costa, sublinhando que é necessário "exigir à ANAC que faça com a prontidão possível todos os estudos técnicos que permitam maximizar a capacidade de utilização do aeroporto, sem obviamente sacrificar esse bem maior que é a segurança aeronáutica".

O primeiro-ministro fez estas declarações no decurso do jantar comemorativo do Dia do Empresário Madeirense, um evento organizado pela Associação Comercial e Industrial do Funchal (ACIF), onde a sua presidente, Cristina Pedra, aproveitou para alertar para os impactos negativos da inoperacionalidade do aeroporto no sector do turismo, devido ao facto de os limites de ventos serem mandatórios e não recomendados.

No primeiro semestre deste ano, 78 mil passageiros foram já afectados devido aos ventos fortes na zona o aeroporto, situação que António Costa teve em consideração no discurso.

"Desejamos que na próxima reunião [com a ANAC], marcada para Junho, possamos avançar e obter respostas concretas que autorizem, do ponto de vista técnico, aquilo que é a vontade política", vincou, realçando que a operação no Aeroporto Internacional da Madeira Cristiano Ronaldo é fundamental para sustentar a região.

O primeiro-ministro destacou, por outro lado, o trabalho desenvolvido pelos governos nacional e regional junto da União Europeia na defesa do Centro Internacional de Negócios da Madeira, considerando, no entanto, que nem todas as negociações com Bruxelas são fáceis.

"Não é uma negociação fácil e não é fácil antever o resultado final desta negociação, mas aquilo que é essencial é não temer as dificuldades e os desafios, mas pelo contrário saber unir esforços, unir forças e procurar defender aqueles que não são interesses exclusivos da Madeira, mas são interesses do conjunto da economia nacional", afirmou.

António Costa disse que o Governo da República e o Governo Regional têm sido "capazes de trabalhar em conjunto" e realçou que para manter e efectivar esta aproximação é "essencial" assegurar o princípio da continuidade territorial.

"Temos de prosseguir esta trajectória de resolução de problemas, um a um e no seu conjunto, de forma garantir o princípio da coesão nacional", disse.