Sete ideias para sair esta semana

Por mares mais ou menos navegados, avistam-se sonhos, histórias e alguns petiscos.

Preto e branco
Foto
Luís Mileu

Futuro à vista

Lisboa, Ribeira das Naus
Até 20 de Maio 

Este é último fim-de-semana para conhecer Futuros Presidentes durante um passeio à beira-Tejo. Vêm de Moçambique, estão concentrados na Ribeira das Naus e são crianças. Apresentam-se através de 20 retratos, em fotografia e texto, feitos respectivamente por Luís Mileu e Ricardo Henriques. Captaram os seus rostos e histórias no norte do país africano, numa viagem por comunidades remotas onde a pobreza, o isolamento e falta de escolaridade ferem a perspectiva de oportunidades, mas não conseguem toldar os sonhos. Como o do pequeno Edmilson, de sete anos, futuro polícia. Ou de Eva Maurício, de nove, empenhada em ser professora da primeira classe. Ou de Ausse Rafael Tomás, que aos 12 já anda em pré-campanha para ser Presidente da República porque "gostaria muito de ajudar as pessoas". Ajudá-los a chegar lá, através de apoio educativo, é o propósito da Helpo, ONG portuguesa que opera no terreno e cujo trabalho foi o ponto de partida para o projecto.
Horário: todos os dias (24h).
Grátis

 

PÚBLICO -
Foto
DR

Do Alentejo, com (ou sem) mostarda

Vendas Novas, Parque de Feiras e Mercados
Até 20 de Maio

Há muito que goza de fama no palato nacional. Provadores internacionais também já lhe têm gabado o sabor. O que a bifana de Vendas Novas ainda não tinha era um festa em casa, em seu nome. O município alentejano resolve a questão pondo no mapa a primeira Feira da Bifana. Nove casas especializadas – sete em tasquinhas e duas em rulotes – servem as suas versões do "produto gastronómico mais genuíno da terra". À volta da bifana, a feira anima-se com música, bailes e a tradicional Feira de Maio, com os seus divertimentos e mercado. Não é preciso ir a correr, mas quem quiser também pode fazê-lo: basta entrar, domingo de manhã, numa das provas da 24.ª Corrida da Cidade – nem que seja uma caminhada para abrir o apetite.
Horário: sábado, das 11h às 2h; domingo, das 8h às 17h.
Entrada livre

 

PÚBLICO -
Foto
Jordi Savall Enric Vives-Rubio

Sons com história

Porto
De 19 a 23 de Maio

Quando a música se harmoniza com o património do Porto, isso é… In Spiritum, o festival que transforma em palcos de concertos locais históricos da cidade. O esplendor do Salão Árabe do Palácio da Bolsa, por exemplo, enquadra a actuação de um dos melhores intérpretes de viola da gamba e um dos maiores divulgadores da música antiga a nível mundial: Jordi Savall. Com o Hespèrion XXI e La Capella Reial de Catalunya, promove Um Diálogo das Almas entre a música do Oriente e do Ocidente (na véspera estará também na Gulbenkian, em Lisboa). É um dos sete espectáculos alinhados para esta quinta edição do In Spiritum, novamente entregue à direcção artística de Cesário Costa. 
Bilhetes de 12,50€ a 20€; passe a 85€

 

PÚBLICO -
Foto
DR

Oceanos, 20 anos

Lisboa, Pavilhão do Conhecimento (átrio e espaço exterior)
Dia 22 de Maio

A 22 de Maio de 1998, todos os olhares estavam no que hoje conhecemos como Parque das Nações: era inaugurada a Expo 98, ao embalo d'Os Oceanos. É a este tema que o Pavilhão do Conhecimento (dos Mares, na altura) regressa n'O Mar de Alto a Baixo, uma festa em que "instituições que produzem conhecimento sobre o mar mostram ao público o que mudou nos últimos 20 anos". Uma forma é conversar com cientistas. Outra é observar as criaturas marinhas criadas pelos artistas-surfistas João Parrinha e Xandi Kreuzeder a partir de lixo recolhido do mar, na exposição Skeleton Sea. Outras: construir pequenas embarcações (a testar nos lagos dos vulcões de água), montar uma réplica de uma caravela, medir a hora solar e a latitude com métodos dos tempos da expansão portuguesa, usar materiais simples para recriar correntes marinhas e outros fenómenos naturais, ou acompanhar a Ciência Fresquinha da bicicleta que, em vez de gelados, serve conceitos científicos explorados de forma divertida.
Horário: das 10h às 16h.
Grátis

 

PÚBLICO -
Foto
DR

Do mar para a mesa

Tavira
Até 27 de Maio

Também Tavira olha a riqueza do oceano, mas para a saborear. Polvo, robalo, cavala, atum, bacalhau, vieira, amêijoa e conquilha estão em destaque nas ementas da 15.ª edição do Festival de Gastronomia do Mar. Sejam tradicionais ou inovadoras, todas as receitas têm a dieta mediterrânica como base. Muitas combinam-se com produtos regionais como laranja, alfarroba ou figo. Além do prato principal, cada casa propõe uma entrada, uma sobremesa e um vinho escolhidos para a ocasião. O número de restaurantes é o mesmo do ano passado, 21, mas com repetentes a misturar-se com novos aderentes. Em qualquer um deles, os comensais habilitam-se a outro prémio para além do prazer à mesa: estadias em unidades hoteleiras e passeios turísticos.

 

PÚBLICO -
Foto
Theater Gajes

Odisseias imaginadas

Santa Maria da Feira, centro histórico
De 24 a 26 Maio

Quando o Imaginarius chega a Santa Maria da Feira, tudo se altera. Mais ainda quando está em causa a festa da maioridade. O Festival Internacional de Artes de Rua chega à 18.ª edição a pensar em Odisseias, viagens, questionamentos, inquietações e dúvidas. Ao longo de três dias, mais de 300 artistas de 17 países invadem a cidade com 40 espectáculos, quase todos estreias absolutas ou nacionais. Entre elas estão Odyssee do grupo holandês Theater Gajes, InSomnium do português Teatro do Mar e Lonely Are the Lonely Roads da companhia suíça Ici'bas (vencedora do concurso Mais Imaginarius no ano passado). A alimentar a missão do festival, descrita pelos programadores como uma "busca activa do contraditório, do novo, do (in)correto e do experimental", estarão também residências artísticas, instalações, encontros de profissionais, trabalhos com a comunidade local, workshops e todo um alinhamento pensado para o público infantil.
Grátis

 

PÚBLICO -
Foto
Enric Vives-Rubio

Folhear experiências

Lisboa, Parque Eduardo VII
De 25 de Maio a 13 de Junho

A Feira do Livro de Lisboa tem vindo a bater recordes ano após ano e a 88.ª edição não será excepção: anunciada como a maior de sempre, conta com um total de 294 pavilhões. No cerne mantêm-se os lançamentos de obras, os encontros com escritores e, claro, os preços especiais (atenção à Hora H, de segunda a quinta, das 21h às 22h, que dá desconto mínimo de 50%). Mas há muito que a feira deixou de ser apenas um mercado. A páginas tantas, tornou-se uma tradição familiar, um ritual pré-festas alfacinhas e, nos últimos anos, uma experiência (ou várias) para extravasar a literatura. A organização – da APEL - Associação Portuguesa de Editores e Livreiros e da Câmara Municipal de Lisboa – reinveste numa intensa programação paralela que toca áreas diversas e abrange toda as idades. Exemplo disso é o regresso do Acampar com Histórias, que convida os miúdos a pernoitarem na feira com contos à cabeceira, e a renovação do pedido ao público para que traga livros usados para doar ou (novidade desta edição) contribuir para a campanha Papel por Alimento. Reforçada surge também a oferta de restauração, com 40 espaços onde a tradicional fartura convive com propostas gourmet e, este ano, também com petiscos e tapas.
Horário: segunda a quinta, das 12h30 às 22h; sexta, das 12h30 às 24h: sábado, das 11h às 24h; domingo e feriados, das 11h às 22h. 
Entrada livre