Gina Haspel confirmada como nova directora da CIA

Senado norte-americano aprovou nomeação polémica de agente que teve responsabilidades no programa de interrogação de suspeitos de terrorismo com recurso a tortura.

Gina Haspel, Donald Trump, Estados Unidos, Ray McGovern, Joe Manchin, Comitê de Inteligência do Senado dos Estados Unidos, Diretor da Central Intelligence Agency, Agência Central de Inteligência
Foto
Gina Haspel dirigiu um centro onde se praticou tortura na Tailândia Kevin Lamarque/REUTERS

O Senado norte-americano confirmou Gina Haspel como a nova directora da CIA, pondo fim a uma batalha em torno da sua participação no programa de tortura a suspeitos de terrorismo, após os ataques terroristas da Al-Qaeda em território dos Estados Unidos a 11 de Setembro de 2011.

Haspel, que trabalha há 33 anos na agência que passará a dirigir, geriu um centro de detenção na Tailândia onde um suspeito da Al-Qaeda foi torturado, em 2002, utilizando a técnica de simulação de afogamento (waterboarding). Na sua audição no Senado, garantiu que sob o seu comando a CIA não voltará a ter um programa de interrogatórios brutais. Assegurou que não cumprirá “ordens imorais” da Casa Branca, "mesmo que sejam tecnicamente legais”.

Estas declarações de Gina Haspel surgiram em resposta a perguntas do senador Mark Warner, do Partido Democrata, que acabou por votar a favor da nomeação. O nome da nova directora foi aprovado por 54 votos a favor e 45 contra, num total de 100 senadores – bastava-lhe uma maioria simples para ter a confirmação no cargo.

O senador republicano John McCain, que tem estado afastado do Congresso por estar a lutar contra o cancro no cérebro, apelou aos seus colegas no Senado para que rejeitassem a nomeação de Haspel – McCain foi torturado quando foi feito prisioneiro na Guerra do Vietname. 

O programa de "técnicas avançadas de interrogatório" da CIA, que arrancou logo após os atentados do 11 de Setembro, sob a Administração de George W. Bush, foi travado pelo Presidente Barack Obama em Janeiro de 2009. Mas Donald Trump tem prometido revalidar "o waterboarding e coisas muito piores" em interrogatórios a suspeitos de terrorismo.

Para além disso, o actual Presidente norte-americano defende que a tortura "funciona" – uma opinião contrariada no relatório do Senado sobre a prática de tortura pela CIA, divulgado parcialmente em Dezembro de 2014, onde se afirma que a tortura de prisioneiros não levou à revelação de informações relevantes, nem para deter outros suspeitos importantes, nem para travar planos de atentados terroristas.