O elevador da Glória descarrilou e ninguém disse nada

Falha grave de manutenção fez com que veículo saísse dos carris. Não houve vítimas.

Pneu, Carro
Fotogaleria
A António Carloto bastou-lhe olhar para as rodas para constatar que o verdugo praticamente desaparecera
Pneu, carro, veículo a motor
Fotogaleria
,
Fotogaleria
Pneu, Carro
Fotogaleria
Pneu, Carro, Carro compacto, Carro de tamanho médio, Veículo a motor
Fotogaleria

No dia 7 de Maio, um dos veículos do elevador da Glória descarrilou, mas ninguém foi ferido nem a carruagem tombou. Esta apenas saiu dos carris e ficou assente nas pedras da calçada.

Desde então a Carris interrompeu o serviço e antecipou a manutenção geral do elevador que estava programada para breve. A empresa não comunicou o acidente nem respondeu às perguntas do PÚBLICO, mas à revista Time Out, Inês Andrade, responsável da comunicação da Carris, contou que houve uma “anomalia técnica” no dia 7 de Maio e que os veículos voltarão a circular no dia 11 de Junho, ficando os ascensores “em perfeitas condições de segurança e funcionamento para os próximos dois anos”.

O que aconteceu, porém, revela graves falhas na manutenção dos rodados dos veículos que podem ser vistas a olho nu. As rodas de um veículo ferroviário têm um verdugo, uma saliência lateral que lhes permite serem guiadas pelo carril. Para evitar que esse verdugo se desgaste, as rodas devem ser torneadas periodicamente a fim de manter essa saliência entre a roda e o carril.

No caso do elevador da Glória, o desgaste da roda era quase total, o que levou a que os rodados do ascensor saltassem para fora dos carris.

Lisboa, 6 de Maio de 2018. Manuel Rosa, um entusiasta dos comboios a viver no estrangeiro, está de férias em Lisboa e decide passear no elevador da Glória. “Senti um barulho estranho durante a subida e quando saí espreitei por baixo da carruagem e vi que as rodas circulavam parcialmente em cima da calçada”, contou ao PÚBLICO. “Achei aquilo estranho, mas no dia seguinte soube que o elevador descarrilou e já não estranhei”.

Um outro testemunho confirma a falta de manutenção dos rodados. No dia 9 de Maio, António Carloto descia a Calçada da Glória e reparou que o ascensor estava parado. Julgou tratar-se de uma manutenção de rotina, mas, curiosamente, atravessou a avenida da Liberdade e apanhou o elevador do Lavra. E foi aí que ouviu um comentário acerca do descarrilamento do seu homólogo da Glória.

Membro da APAC (Associação Portuguesa dos Amigos dos Caminhos de Ferro), António Carloto faz parte de uma opinião pública esclarecida sobre as questões técnicas da ferrovia. Nesse mesmo dia voltou à Calçada da Glória e bastou-lhe olhar para as rodas para constatar que o verdugo praticamente desaparecera. Ao lado, na calçada, via-se o rasto das rodas de aço deixado sobre as pedras.

“Descarrilou e desta vez não houve consequências. Da próxima poderá não ser assim. É claro que houve aqui incúria”, disse ao PÚBLICO, mostrando as fotos que tirou no local, dois dias depois do acidente.

Até há alguns anos a Carris dispunha de pessoal especializado na manutenção dos elevadores, mas ultimamente essa tarefa passou a ser feita por empresas subcontratadas. O PÚBLICO perguntou à empresa quando foi a última vez que se realizou o torneamento dos rodados do elevador da Glória, bem como dos do Lavra e da Bica, mas a Carris não respondeu. A empresa também não quis divulgar o número de passageiros transportados nos últimos anos naquele equipamento que, mais do que um modo de transporte, é agora uma atracção turística da capital.

Também a Câmara de Lisboa, questionada pelo PÚBLICO sobre se tinha conhecimento deste descarrilamento e sobre se havia alguma preocupação sobre a segurança dos passageiros dos ascensores da cidade, não respondeu.