Opinião

Também ninguém viu quem Bruno de Carvalho era?

Sócrates e Bruno de Carvalho têm isto em comum: são ambos fruto da nossa complacência, da nossa cegueira e da nossa passividade.

José Gil criou o conceito de “não-inscrição” para definir uma característica singular da sociedade portuguesa: a incapacidade de aprender e evoluir a partir dos erros cometidos. É como se os acontecimentos históricos, mesmo os mais traumáticos, fossem arranhões que nunca se transformam em cicatrizes. Ao não deixarem uma verdadeira marca, também não deixam a memória que impede a repetição do erro e a sua superação a partir de uma falha colectivamente admitida. Boa parte dos portugueses não admite nada. Não admite a ferida, não enfrenta o corte, não reconhece o erro, preferindo suspirar (exemplo de José Gil): “É a vida.”

Nas suas declarações após a tragédia de Alcochete, Bruno de Carvalho não utilizou a expressão “é a vida”, mas utilizou outras que querem dizer o mesmo: “Isto foi chato, mas o crime faz parte do dia-a-dia.” Ou seja, é a vida. É um exemplo perfeito de não-inscrição, de uma máquina mental que está em permanência a diminuir a gravidade daquilo que é evidentemente gravíssimo, para que possa continuar o seu caminho com um nível mínimo de perturbação. O edifício desta não-inscrição está escorado em vários pilares, e um deles (que José Gil infelizmente não desenvolve) é este: a recusa constante em ver aquilo que está à frente do nosso nariz. Quando a tragédia finalmente acontece, o absolutamente óbvio é mascarado como totalmente inesperado. Fingimos apanhar sustos com monstros que todos os dias sentámos à nossa mesa.

Na terça-feira à noite, Daniel Oliveira foi à SIC Notícias comentar o caso de Alcochete, e quando foi referido o apoio público que deu a Bruno de Carvalho nas últimas eleições, ele argumentou que não tinha “capacidade de prever” aquilo que agora veio a acontecer. Sim, é certo que há um ano não seria possível prever que em Maio de 2018 meia centena de encapuzados em marcha militar iriam invadir o centro de estágios do Sporting para agredir jogadores e equipa técnica. Mas será que há um ano era mesmo impossível prever que um dia um presidente com a personalidade de Bruno de Carvalho iria instalar o caos no Sporting? Não, não era. Era até bastante provável que isso viesse acontecer — tal como era muito provável que um dia se viesse a descobrir o dark side de José Sócrates. Por uma razão simples: os seus lados negros não estavam escondidos numa cave húmida e sombria. Eram exibidos diariamente em prime-time.

Por que é que ninguém os via? Toda a gente os via. Só que aqueles que os admiravam fingiam não ver. Aquilo que Sócrates dava aos socialistas, tal como aquilo que Bruno de Carvalho dava aos sportinguistas, era tão valioso, que os impulsos autoritários, a obsessão com o “eu” ou a sede absurda de poder eram desvalorizados como idiossincrasias mansas ou meros traços de “carisma”. Immanuel Kant nunca teria arranjado emprego em Portugal — o esforço que ele recomenda que façamos para que os princípios da nossa acção se elevem acima das paixões particulares e da identidade dos sujeitos é demasiado pesado para a alma lusitana. Nós tapamos voluntariamente os nossos olhos desde que estejamos a escutar música para os nossos ouvidos. Da próxima vez que alguém se espantar como engolimos 40 anos de ditadura, é olhar à volta. A nossa ridícula tolerância para com as várias espécies de animais ferozes continua igualzinha ao que sempre foi. Sócrates e Bruno de Carvalho têm isto em comum: são ambos fruto da nossa complacência, da nossa cegueira e da nossa passividade.