Há 19 pessoas proibidas de entrar nos estádios

Na sequência dos episódios de violência em Alcochete, ainda não é claro que tipo de policiamento irá ter a Taça de Portugal.

Foto
A proibição de entrar nos recintos desportivos pode durar um a cinco anos guilherme marques

Na presente época desportiva são apenas 19 as pessoas proibidas de entrar nos estádios, por terem provocado distúrbios durante os jogos ou nas imediações destes recintos. Dados fornecidos pela PSP dão ainda conta de que em 2016/2017 estavam activas 38 interdições.

A proibição de entrar nos recintos desportivos é habitualmente decretada pelos tribunais como pena acessória, e pode durar um a cinco anos. Alguém que bateu num adepto de um clube rival, por exemplo, pode ser condenado a uma pena suspensa por ofensa à integridade física e ficar, além disso, impedido de frequentar recintos desportivos durante algum tempo. Quando não se trata de reincidentes – é a situação mais habitual – a proibição é decretada por um ano. Os juízes podem ainda obrigar a pessoa em causa a apresentar-se na esquadra ou no posto da GNR à hora de começo dos jogos, embora não o façam com frequência. A medida tem a vantagem de impedir realmente a entrada nos estádios, uma vez que a interdição só por si pode não ser eficaz em jogos onde os infractores facilmente passam despercebidos entre a multidão.

Este tipo de proibição pode ainda ser decretada como sanção disciplinar a pessoas do mundo do desporto – jogadores, entre muitos outros – que infringiram as regras. Ameaçando, por exemplo, membros da equipa adversária, ou desrespeitando ordens da equipa de arbitragem.

Nesta quarta-feira ainda não era claro que tipo de policiamento irá ter o jogo do final da Taça de Portugal, que se realiza domingo no Jamor. A meio da tarde um porta-voz oficial do Comando Metropolitano de Lisboa assegurava que não estava previsto um número de efectivos superior ao da final do ano passado. Mas ao final do dia o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, viria desmentir esta informação, garantindo que o dispositivo policial seria aumentado na sequência das agressões em Alcochete.