Diamantino distinguido com o Grande Prémio na Semana da Crítica em Cannes

Primeira longa-metragem da dupla Gabriel Abrantes-Daniel Schmidt conta a história de uma super-estrela do futebol mundial cuja carreira cai em desgraça.

Carloto Cotta é Diamantino
Foto
Carloto Cotta é Diamantino DR

A primeira longa-metragem da dupla Gabriel Abrantes -Daniel Schmidt, Diamantino, recebeu na tarde desta quarta-feira o Grande Prémio da 57.ª Semana da Crítica do Festival de Cinema de Cannes.

O filme conta a história de um futebolista, uma super-estrela mundial deste desporto, cuja carreira cai em desgraça, mas que talvez possa salvar Portugal do esquecimento. As referências à figura de Cristiano Ronaldo são óbvias num filme que foi agora distinguido por um júri presidido pelo cineasta norueguês Joachim Trier, e que integrou também os actores Chloe Sevigny e Nahuel Pérez Biscayart.

Diamantino (interpretado pelo actor Carloto Cotta) é esse futebolista à procura de um novo objectivo para sua vida, e cujo destino o faz cruzar-se com refugiados, neofascistas e promessas de modificação genética.

O elenco do filme – cuja data de estreia comercial em Portugal não foi ainda anunciada – inclui também Cleo Tavares, Anabela Moreira, Margarida Moreira, Carla Maciel, Filipe Vargas, Manuela Moura Guedes, Joana Barrios e Maria Leite.

Diamantino voltará a ser exibido em Cannes esta quinta-feira, dia em que termina a Semana da Crítica do festival, que, por sua vez, vai até sábado.

Gabriel Abrantes e o norte-americano Daniel Schmidt têm trabalhado juntos nos últimos anos em filmes como Tristes Monroes (2017) e A History of Mutual Respect (2010).

Além de Diamantino, havia outro filme português em competição na Semana da Crítica de Cannes, a curta-metragem Amor, Avenidas Novas, de Duarte Coimbra, feita em contexto escolar e produzida pela Escola Superior de Teatro e Cinema, em Lisboa.

Com Lusa