Ali Wong e Hari Kondabolu: maternidade e raça no Netflix

Na última semana, o serviço de streaming norte-americano lançou dois especiais de comédia de dois cómicos de stand-up vitais.

Ali Wong em <i>Hard Knock Wife</i>
Fotogaleria
Ali Wong em Hard Knock Wife Netflix
Hari Kondabolu em <i>Warn Your Relatives</i>
Fotogaleria
Hari Kondabolu em Warn Your Relatives Netflix

Em 2016, seis semanas antes de dar à luz, Ali Wong gravou o seu primeiro especial. Baby Cobra, com a cómica a usar um vestido com riscas de zebra, saiu no Netflix no Dia da Mãe nos Estados Unidos – que, ao invés de Portugal, é no segundo domingo de Maio – e falava de maneira hilariante, honesta, brutal e absolutamente indecente sobre a gravidez. Dois anos depois, Wong tem uma sequela para essa estreia, Hard Knock Wife, também saída no Dia da Mãe e ainda melhor. Neste novo especial, não só está grávida outra vez como tem uma nova perspectiva sobre a vida e o que é ser mãe.

Wong entra em palco a dançar – este é um especial bastante físico – ao som de Triumph, o clássico dos Wu-Tang Clan. O vestido, desta feita, não tem padrão de zebra, mas sim de leopardo. E há muitas coisas que mudaram, como toda essa nova experiência de ter uma filha, e o desapontamento com a vida que isso traz. Isto, claro, além da fama e notoriedade que conquistou com Baby Cobra e a transformou, de um dia para o outro, de uma cómica de stand-up que ia tendo uns quantos espectáculos e escrevia para a sitcom Fresh Off the Boat numa figura reconhecível, que as pessoas copiam no Dia das Bruxas.

Nos Estados Unidos não há licenças de maternidade pagas, e a cómica argumenta que deviam existir. Não para as mães se acostumarem aos filhos e criarem ligações a eles, mas sim para os seus corpos recuperarem. De quê? De algo que é explicado ao mais ínfimo e sujo detalhe, sem poupar qualquer susceptibilidade.

Em Baby Cobra, Wong falava da dualidade de critérios na forma como homens cómicos e mulheres cómicas reagiam ao facto de ter filhos. Um pai tinha um filho e uma semana depois estava em palco a dizer mal dele, a ser aplaudido e a ficar mais conhecido por isso. Uma mulher, não, porque tinha de recuperar.

Já em Hard Knock Wife, a actriz admite que não tem feito muita stand-up nos últimos dois anos, fala do facto de haver a expectativa de ser ela a ficar em casa com a bebé e de como nunca ninguém pergunta a homens se conseguem equilibrar a carreira com a família. Porquê? Porque não conseguem.

É tudo bastante revolucionário, só pelo facto de existir – e é um pouco estranho que isso aconteça só agora. Se é praticamente inédito uma mulher gravar um especial de stand-up enquanto está grávida, é ainda mais pioneiro fazê-lo uma segunda vez. Ainda assim, Wong não passa a vida a chamar a atenção para isso. Só é. E é hilariante a fazê-lo.

Hari Kondabolu em estreia

O especial chegou no domingo, menos de uma semana depois de o Netflix lançar Warn Your Relatives, a estreia de Hari Kondabolu, o homem que fez Os Simpsons repensarem a personagem Apu, nos especiais gravados em vídeo.

Não há muito em comum entre os dois, a não ser terem sido lançados dois programas especiais no espaço de uma semana. Quer dizer, ambos nasceram em 1982, são de origem asiática (os pais de Kondabolu nasceram na Índia; o pai de Ali nasceu nos Estados Unidos numa família chinesa e a mãe dela emigrou do Vietname). E, surpreendentemente para especiais que saíram tão perto um do outro, os dois mencionam a prática da anilíngua – de formas muito díspares.

Em Warn Your Relatives, que saiu na terça-feira da semana passada, o dia preferido pelo Netflix para lançar novos especiais, o comediante fala de tópicos tão díspares quanto ser confundido com Kid Rock – a sério –, trabalhar num filme com David Oyelowo ou o amor que pessoas indianas nutrem pela manga, algo que menciona ao explorar as tendências genocidas de Afonso de Alburquerque, o explorador português que a História recorda mais como aquele que deu nome a uma variedade de fruta que os indianos adoram.

Algum do material já é batido. Há partes que saíram em Mainstream American Comic, o segundo álbum do actor, lançado pela editora Kill Rock Stars, que é aliás mencionada aqui. Os segmentos sobre a raça ser uma construção social, mas que ainda assim é algo usado para deitar pessoas abaixo, também surgem em Waiting for 2042, o primeiro disco dele. Mas não só o tema não deixa de ser pertinente como a forma como isso é dito é diferente. Além disso, por vezes Kondabolu insiste demasiado em piadas sobre piadas, de uma maneira que nem sempre resulta como deveria, mas o especial tem momentos hilariantes suficientes para ser uma estreia sólida.