"Não restam dúvidas" de que o acordo nuclear é para manter, dizem UE e Irão

Alta representante da UE para a política externa juntou os ministros dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, França e Reino Unido do Irão em Bruxelas, para dar conta da resposta europeia às sanções que Trump vai impor.

Mohammad Javad Zarif, Federica Mogherini, Irã, União Européia, França
Foto
Mohammad Javad Zarif descreveu as conversações como "construtivas" Reuters/POOL

Federica Mogherini, a alta representante para a Politica Externa da União Europeia,  recebeu esta terça-feira em Bruxelas os ministros dos Negócios Estrangeiros do Irão e também da Alemanha, França e Reino Unido, e não foi preciso esperar pelo fim da reunião para saber qual a principal conclusão. “Não ficará a mínima dúvida de que enquanto o Irão continuar a cumprir as suas obrigações, a União Europeia continuará a respeitar os termos do acordo nuclear", abandonado pelos EUA, antecipou um dirigente europeu.

Desde que o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, confirmou a sua decisão de abandonar o Plano Abrangente de Acção Conjunta (JCPOA na sigla em inglês) para a monitorização do programa nuclear iraniano, os líderes europeus têm repetido a mesma mensagem: o acordo está a produzir os resultados esperados e portanto é para ser mantido pelos restantes signatários — que não têm a mínima intenção de replicar a posição norte-americana e contribuir para aumentar a incerteza e instabilidade na volátil região do Médio Oriente.

A reunião em Bruxelas serviu para reafirmar a posição de unidade em defesa da preservação do acordo nuclear com o Irão e para debater as medidas que a UE está preparada a assumir para preservar os interesses económicos do bloco face à ameaça de novas sanções económicas dos EUA - que esta terça-feira já sancionou o governador do Banco Central iraniano.

O Governo de Teerão precisa de ter a garantia da unidade dos 28 com o compromisso assumido para permanecer no acordo. Segundo o ministro iraniano, Mohammad Javad Zarif, nesse sentido a reunião “foi muito construtiva”.

Um responsável europeu envolvido nas conversações explicou que há várias opções, e diferentes instrumentos para preservar as actuais relações financeiras e comerciais entre entidades europeias e iranianas e mitigar o risco de sanções secundárias. Mas não existe “uma solução mágica”. Tanto poderão ser adoptadas medidas ao nível europeu como nacional, em função dos efeitos extra-territoriais das sanções dos EUA. “Estamos a avaliar todas as modalidades. Não é caso para pânico, não é preciso acelerar os trabalhos, que seguem em velocidade de cruzeiro.”

As palavras da UE têm sido deliberadas, no sentido de acalmar as multinacionais europeias confrontadas com a perspectiva de prejuízos avultados por causa da retaliação norte-americana, e para tentar apaziguar a tensão política após as últimas decisões do Presidente norte-americano. No entanto, é inegável o impacto negativo  — e disruptivo — que as novas políticas da Administração Trump estão a ter no bloco, tanto na vertente económica (financeira e comercial) como em termos diplomáticos e políticos.

De tal maneira que o debate dos chefes de Estado e de governo que esta quarta-feira se reúnem em Sófia, na Bulgária, num jantar de trabalho em formato informal antes da cimeira entre a UE e os países dos Balcãs Ocidentais, será quase inteiramente dedicado à “avaliação dos últimos desenvolvimentos após os anúncios de Trump relativos ao comércio e ao Irão” (a excepção é um ponto sobre a agenda para a inovação e o digital, um tópico suscitado pela França, Alemanha e Finlândia).

Apesar de haver duas questões concretas em cima da mesa — o acordo do Irão e as novas taxas alfandegárias para produtos de aço e alumínio —, a discussão poderá assumir um carácter mais “filosófico”, com os líderes europeus a trocar ideias sobre como lidar (colectivamente ou individualmente) com uma Casa Branca tão insular e imprevisível.

Nesse aspecto, a chanceler alemã, Angela Merkel, a primeira-ministra britânica, Theresa May, e o Presidente francês, Emmanuel Macron, poderão falar sobre a sua experiência pessoal, quando fizerem o ponto da situação do caso que envolve o nuclear iraniano. De resto, na sua habitual carta de convite, o presidente do Conselho, Donald Tusk, sugeriu ainda que os líderes aproveitassem para reflectir sobre os “dramáticos acontecimentos em Gaza”, que segundo a mesma fonte europeia podem ser considerados como "mais um elemento das consequências das decisões tomadas por Trump".