Presidentes das empresas do PSI-20 recebem mais 40% do que em 2014

Os salários dos trabalhadores, por seu turno, continuam estagnados. A remuneração média de um presidente executivo foi de um milhão de euros em 2017. Os gastos com um trabalhador médio foram 32 mil euros.

António Mexia, presidente executivo da EDP, é o gestor que mais ganha
Foto
António Mexia, presidente executivo da EDP, é o gestor que mais ganha Rui Gaudêncio

Em três anos, os presidentes executivos das empresas do PSI-20 registaram um aumento salarial anual na ordem dos 40%. Já os salários dos trabalhadores mantiveram-se, escreve o Dinheiro Vivo nesta segunda-feira. Os CEO das empresas cotadas em bolsa recebem quase um milhão de euros de remuneração média e o valor tem tendência a aumentar, acompanhando o aumento dos lucros obtidos por estas empresas.

Em 2014, os presidentes executivos das empresas do PSI-20 levaram para casa 4,6 milhões de euros. Em 2017, esse valor foi de 16 milhões de euros. No ano passado, em média, os presidentes executivos ganham 46 vezes mais do que os trabalhadores da mesma empresa. As contas foram feitas pelo Dinheiro Vivo, baseando-se nos relatórios de contas das empresas, com dados sobre as remunerações fixas, variáveis, prémios, e encargos com fundos de pensões. As conclusões apontam para uma remuneração média de 996 mil euros brutos para os CEO. Em 2014, o valor era mais baixo: fixava-se nos 708 mil euros.

Mas não foram só os presidentes executivos que ganharam mais. Os outros membros do conselho de administração também levaram mais dinheiro para casa, de acordo com as contas do Dinheiro Vivo. Em três anos, os custos com responsáveis aumentaram 43%, ou 57,5 milhões de euros, mais 17 milhões do que há três anos.

Já o custo médio com funcionários estagnou: são 21,7 mil euros anuais, o que corresponde a uma decida de 2,7% face a 2014. Em 2017, gastou-se 32 mil euros anuais, em média, com cada funcionário das empresas cotadas em bolsa. Estas contas agregam os gastos com pessoal (nomeadamente remunerações, prémios, outros encargos e indemnizações) e exclui os dados da Pharol e da Sonae Capital, por não terem número significativo de trabalhadores.

Há mais gente a trabalhar e, apesar de o gasto com cada trabalhador ter estagnado, os custos com pessoal aumentaram 16% desde 2014. Em 2017, gastaram-se 5,41 mil milhões de euros com trabalhadores.

Em três anos, o lucro acumulado das empresas do PSI-20 aumentou 50%, ou seja, cerca de 3,5 mil milhões de euros, um dos factores explicativos do aumento dos salários dos gestores.

É no sector do retalho que se sente uma diferença mais expressiva entre o salário médio de um presidente executivo e o salário médio de um trabalhador, em parte, porque se praticam salários mais baixos. O maior fosso regista-se na Jerónimo Martins. O presidente executivo, Pedro Soares dos Santos, recebeu mais de dois milhões de euros em 2017, mas a empresa gastou, em média, 13 mil euros com cada trabalhador. Soares dos Santos ganha 155 vezes mais do que os seus trabalhadores.

Mas não é o CEO que mais ganha em Portugal. Esse é António Mexia, gestor da EDP, que levou para casa 2,29 milhões em 2017 – 39 vezes mais do que a média dos trabalhadores. E Pedro Queiroz Pereira, que gere a Semapa e a Navigator, recebe 1,3 milhões da Semapa e 3,4 milhões por outras empresas do grupo, o que, no total, origina uma remuneração de 4,7 milhões anuais.

Se se excluísse a Jerónimo Martins das contas, os CEO do PSI-20 ganhariam 34 vezes mais do que os trabalhadores.

A Deco Proteste alerta para que se estabeleça um “limite máximo para o rácio entre a remuneração do presidente da comissão executiva e a média dos trabalhadores da empresa”. “É necessário fixar limites para evitar abusos”, cita o Diário de Notícias.

Ainda assim, o caso português está longe das diferenças registadas nos EUA (onde, em média, o CEO ganha 190 vezes mais do que os trabalhadores), na Alemanha (150 vezes mais), ou Espanha (60 vezes mais), de acordo com os dados referentes a 2016, fornecidos pela Deco ao DN.

Nos EUA, ao contrário do que acontece em Portugal, as empresas cotadas em bolsa estão obrigadas a divulgar oficialmente a diferença entre o salário anual dos CEO e a mediana dos trabalhadores. É no território norte-americano que se registam casos em que o CEO ganha duas mil vezes mais do que o que paga aos trabalhadores. É o que acontece na Manpower, empresa de trabalho temporário.