Metade dos internados com doenças crónicas está em risco de desnutrição

Grupo de trabalho entrega no próximo mês proposta de dietas adaptadas às condições e necessidades dos pacientes.

Oficial executivo
Foto
Dossier está nas mãos do secretário de Estado Fernando Araújo Ricardo Campos /Arquivo

A percentagem de doentes que chegam aos hospitais em risco de desnutrição e já desnutridos é muito elevada (mais de 40%), de acordo com estudos realizados em Portugal. Mas um trabalho recente, ainda não publicado e que foi realizado num terço dos maiores hospitais do país, olhando apenas para a situação em enfermarias de Medicina Interna (onde estão habitualmente os pacientes mais idosos e com múltiplas doenças crónicas), aponta para uma prevalência bem mais preocupante: mais de metade dos doentes avaliados estavam em risco de desnutrição.

Foram avaliados 729 doentes em 23 hospitais públicos, com uma média etária de 78 anos. Usando uma de duas ferramentas de avaliação possíveis, a conclusão foi a de que 50,1% se encontravam em risco de desnutrição. Utilizando outra ferramenta mais sensível e que costuma ser aplicada a pacientes oncológicos, o resultado foi substancialmente pior: 17% estavam gravemente desnutridos e mais de metade estavam moderadamente desnutridos ou em risco de desnutrição, adiantou ao PÚBLICO Ricardo Cleto Marinho, um dos investigadores do grupo de trabalho de Medicina Interna da Associação Portuguesa de Nutrição Entérica e Parentérica que assina este trabalho. O estudo vai ser apresentado num congresso no final deste mês.

Sublinhando que esta é uma população “muito específica e frágil”, o médico diz que nos estudos internacionais a prevalência de risco de desnutrição nos hospitais tem oscilado entre os 30 e os 65%, consoante as especialidades analisadas. Em Portugal, um estudo feito há alguns anos em seis hospitais concluiu que um em cada três internados estava nesta situação. “Trata-se de um problema grave, que está identificado há muito tempo, mas persiste a desinformação, mesmo entre os médicos”, lamenta.

O estado de carência nutricional, já de si preocupante, ainda se agrava em muitos casos durante o internamento hospitalar por não haver muitas vezes controlo sobre o que os doentes comem ou não comem. Há pacientes que, por exemplo, não se habituam a comer comida sem sal. E muitos não conseguem alimentar-se sozinhos. “Há poucos auxiliares, um ou dois para 25 doentes, e os médicos não têm tempo para ver se comeram ou não”, acentua.

Poucos nutricionistas

Ao mesmo tempo, é também escasso o número de nutricionistas nos hospitais. Os especialistas em nutrição não chegam para ver todos os doentes em risco, defende Graça Ferro, vogal da direcção da Ordem dos Nutricionistas que integra o grupo de trabalho nomeado há quase um ano pelo Governo justamente para definir uma estratégia para esta área. “Há pacientes sem dentes, com desafasia (dificuldade em deglutir), com anorexia, entre outros problemas, e as dietas por vezes não são adaptadas” a estas condições, acrescenta.

“Quando nos chegam, alguns doentes já estão em fase de grande deterioração, com úlceras de pressão, insuficiências hepáticas e renais, sendo já muito difícil reverter este quadro”, descreve Graça Ferro. São pacientes que precisam de suplementos nutricionais artificiais, que contêm proteínas, hidratos de carbono, vitaminas e minerais e em casa, por maior que seja a boa vontade dos familiares, as dietas caseiras “são habitualmente muito pobres” para poderem passar nas sondas.

O grupo, que tinha 180 dias para apresentar conclusões, atrasou-se. Mas Graça Ferro adianta que o documento com a definição da estratégia a seguir já está nas mãos dos responsáveis políticos desde Janeiro passado. Entre outras coisas, os especialistas propõem que os doentes sejam avaliados nas primeiras 24 horas após a entrada nos hospitais e que os indicadores relativos à nutrição sejam levados em conta quando se avalia a qualidade das unidades de saúde. O que falta agora é apresentar um manual de dietas adaptadas, o que deverá acontecer no próximo mês. 

Sugerir correcção