Aliança entre Xanana, Matan Ruack e Naimori à frente no escrutínio em Timor-Leste

A coligação tinha como objectivo tirar do governo a Fretilin de Mari Alkatiri.

Dili, Xanana Gusmão, Congresso Nacional para a Reconstrução Timorense
Foto
Xanana Gusmão depois de votar EPA

A Aliança de Mudança para o Progresso (AMP) lidera a contagem dos votos das eleições legislativas que se realizaram nesta sábado Timor-Leste, com 49,3%, à frente da Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin), com 33,1%, quando estão contados 24,97% dos votos.

Segundo dados oficiais da comissão eleitoral, o Partido Democrático é a terceira força política mais votada com 8,1% e a Frente de Desenvolvimento Democrático (FDD) a quarto, com 6,2%.

A Aliança de Mudança para o Progresso reúne o Congresso Nacional da Reconstrução Timorense, o Partido Libertação Popular e o Kmanek Haburas Unidade Nacional Timor Oan, e integra Xanana Gusmão, Taur Matan Ruak e Jose Naimori. A coligação entre os três homens tinha como objectivo tirar do governo a Fretilin de Mari Alkatiri.

Os dados parciais foram divulgados oito horas após o fecho das urnas em Timor-Leste e quando acabavam de encerrar as urnas em Lisboa e no Porto.

Apenas estes quatro partidos estão, para já, acima da barreira de 4% dos votos necessários para conseguir eleger deputados.

A comissão eleitoral divulgou ainda os primeiros dados finais da votação na diáspora, em concreto os referentes aos três centros da Austrália - Darwin, Melbourne e Sydney - onde a Fretilin obteve o maior número de votos (441), à frente da AMP (314 votos).

O processo de contagem oficial é particularmente demorado já que obriga a vários passos de verificação.

Em contrapartida, as redes sociais timorenses estão com contagens parciais mais avançadas, recorrendo a contagens dos fiscais dos partidos.

Ainda assim os valores difundidos pelos partidos não alteram a tendência de liderança da AMP.