Ilustração

Um diário (com humor) da própria mudança de género

Julia Kaye
Fotogaleria
Julia Kaye

Mudar de género é “uma maratona sem fim” e Julia Kaye, a artista norte-americana que descreve a própria transição nestas tiras de banda desenhada, ficou “exausta” várias vezes. A “montanha russa” não parava de girar desde que a artista de Los Angeles, de 28 anos, decidiu, há dois, “tornar-se, completa e autenticamente, quem sempre esteve destinada a ser”. Mas os momentos baixos (falta de auto-estima, comentários transfóbicos, alguém que a trata por “senhor”) começaram a ser cada vez mais interrompidos por pequenas vitórias — os pais a usarem o pronome “ela”, Julia a sentir-se mais próxima da irmã, a gostar de se ver ao espelho.

 

A ilustradora de Los Angeles fala de tudo isto na série Up and Out, uma espécie de diário gráfico que culminou no livro Super Late Bloomer: My Early Days in Transition, lançado a 1 de Maio. Há muito humor nas histórias, mas Kaye, que está a trabalhar com a Disney num novo desenho-animado, não deixa de mostrar que foram “dias difíceis”. Agora, o pó já “assentou”. O “mundo não acabou”. Quase parece que nada mudou realmente — e talvez “não tenha mesmo mudado” (“o que é fantástico”).

Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Julia Kaye
Sugerir correcção