Crítica

Era só isto?

Ilha dos Cães é a primeira decepção valente diante da filmografia de Wes Anderson.

Cachorro, pare o movimento
Fotogaleria
Os mesmos temas e os mesmos interesses de Wes Anderson continuam a revelar-se: agora com cães em vez de pessoas
Wes Anderson, Ilha dos Cães, Festival Internacional de Cinema de Berlim
Fotogaleria
Cachorro
Fotogaleria
Festival Internacional de Cinema de Berlim, Film
Fotogaleria

Reiteramos que, de Bottle Rocket (1996) a Moonrise Kingdom (2012), Wes Anderson nos parece um dos mais inventivos e originais cineastas do moderno cinema americano, mas se Grand Budapest Hotel (2014) já dava sinais de um cansaço resolvido em fuga para a frente (pelo excesso, pela acumulação, pela intensificação da sinalética do mundo e do cinema “wesandersonianos”), esta Ilha dos Cães é a primeira decepção valente. Parece um filme, em simultâneo, com coisas a mais e coisas a menos: demasiada “informação”, demasiado detalhe, demasiada insistência em aspectos decorativos (a invenção ou reinvenção de um “Japão” entre o folclore tradicional e o cyber-punk), para uma inesperada escassez narrativa, ou mesmo aridez, falha de inspiração e de momentos verdadeiramente fortes.

Claro que não é nulo, que algumas sequências revelam a imaginação de Anderson (quase) em pleno, que agora sob a forma de matilhas os mesmos temas e os mesmos interesses (as “equipas” como substitutos de uma família, os órfãos e as figuras paternas pouco ortodoxas) continuam a revelar-se, e que, de maneira mais acabada ainda do que em O Fantástico Sr. Raposo (2009), Ilha dos Cães mostra que para Wes não existe praticamente diferença alguma entre a “animação” e a “acção real”. Mas nem a total coerência com que o filme habita o universo do seu autor impede que, terminada a projecção, nos perguntemos, com surpresa decepcionada, “já está, era só isto?”.