Foto

Os animais da Maria Vaidosa (Mafalda Sampaio): Bill e Bennie

Conhecê-los é também conhecer a relação que têm com os seus animais. Os dois buldogues franceses de Mafalda Sampaio, a youtuber e fundadora da revista trimestral “Maria Vaidosa”, são muito diferentes — mas inseparáveis

Os meus dois cães são muito diferentes: a Bennie adora pessoas, brincar e bolas de futebol. Acredito que noutra vida tenha sido jogadora. Já o Bill é o oposto. Não liga nenhuma a brinquedos — só se estiverem recheados de comida, claro! Gosta de estar no canto dele e, de vez em quando, desafiar a Bennie para brincar.

Na rua, o Bill é um explorador, adora farejar e conhecer novas coisas. A Bennie, quando vai à rua, fica logo despachada e só quer voltar para casa. Imaginem só a logística da coisa, um braço com uma trela que puxa para a frente e outro para trás. Gostam de câmaras, cresceram com uma apontada o tempo todo e sabem que depois da fotografia recebem um biscoito. Não fossem eles os cães portugueses mais seguidos no Instagram!

Fora isso, são inseparáveis. Eles já não vivem um sem o outro, cresceram juntos e ficam tristes quando se separam. À primeira vista, parece ser um comportamento super querido. No entanto, temo-nos esforçado para que façam algumas coisas em separado. Por vezes passeamos um de cada vez, para que se habituem a estar um sem o outro e não serem tão dependentes. É importante que eles saibam que não são um só. Mais cedo ou mais tarde terão de se separar pela lei natural da vida e terão de saber lidar com isso da melhor maneira possível.

Estes são os meus primeiros cães e, por isso mesmo, cometi alguns erros na educação deles que hoje em dia não voltaria a cometer. Acabam por ser um bocadinho excitados, porque sempre foram recompensados por serem assim. Mas nesta nova fase, como vamos ter um bebé, estamos a remediar alguns comportamentos menos positivos.

Sou muito mais uma pessoa de cães, tenho até um bocadinho medo de gatos. Gosto mais da transparência dos cães. Quando um cão está feliz por estar connosco, conseguimos logo perceber. Os gatos acabam por ser muito imprevisíveis.

Aprendi que a frase “é só um cão” não é mesmo verdade. Eles não são só uns cães! São membros da nossa família, fazem parte do nosso dia, estão sempre dispostos a dar e receber carinho. Ensinaram-me ainda a ter mais paciência. Não é fácil educar um cão, dois então... Temos um compromisso assumido com eles e temos de ter consciência de que é necessário tempo para lhes dedicarmos.

Concordo com a nova lei que permite a entrada de animais em restaurantes, sim, mas não levaria os meus dois cães a um. Como não foram habituados desde pequenos não seria uma boa ideia. A nova lei requer algum bom senso por parte dos donos. Já conheço o comportamento dos meus cães fora de casa e não seria capaz de os levar a um restaurante. Assim como também não os levo a uma esplanada, onde sempre foi permitido.

Quero acreditar que estamos mais despertos para o bem-estar dos animas. Estamos cada vez mais atentos mas, ainda assim, há mentalidades muito retrógradas. Acima de tudo gostaria que quem estiver a pensar ter um cão tenha noção que eles requerem tempo, disponibilidade financeira e muita paciência. Precisam da nossa atenção e do nosso tempo para passear, brincar e treinar. Sem estas três coisas, não serão cães felizes e nós seremos donos frustrados.

É muito importante falar na disponibilidade financeira: eles precisam de vacinação, camas, brinquedos, comida e biscoitos para reforçar positivamente os seus melhores comportamentos. Por fim, a paciência é fundamental! Eles não nascem educados e, pior, não falam a nossa língua. São capazes de aprender cerca de dez palavras, mas não muito mais do que isso. Ter paciência para os educar é fundamental e perceber que nem sempre a culpa é deles. Se deixarmos um cão sozinho em casa durante 10 horas, é natural que quando chegarmos a casa tenhamos algumas surpresas. Não adianta ralhar, a culpa foi nossa que não o fomos passear.

PÚBLICO -
Foto

Mafalda Sampaio 

Fotografias do instagram de Mafalda Sampaio. Depoimento construído a partir de entrevista por email.