Para a Eurovisão as apresentadoras vestiram criadores portugueses

Daniela Ruah, Sílvia Alberto, Catarina Furtado e Filomena Cautela optaram por peças criadas por designers portugueses.

Agência de Notícias Lusa
Foto
LUSA/JOSE SENA GOULAO

Na noite em que foram definidos dez dos finalistas que chegarão à gala de domingo da Eurovisão, as quatro apresentadoras portuguesas marcaram a primeira presença em palco com vestidos criados por designers nacionais.

Daniela Ruah usou um fato brilhante num tom escuro criado à medida por Carlos Gil – que partilhou nas redes sociais um esboço das peças.

Já Sílvia Alberto, optou por um vestido da Storytailors, a marca de Luís Sanchez e João Branco: um modelo vermelho, com um espartilho, que é quase um símbolo da marca.

Catarina Furtado virou-se para o designer com quem tem uma relação de proximidade há anos, Nuno Baltazar, que criou um vestido brilhante azul eléctrico, com uma longa racha e uma manga comprida num corte assimétrico.

Finalmente, Filomena Cautela, confiou a escolha de guarda-roupa à dupla Alves/ Gonçalves

A opção por peças portuguesas recaiu também sobre o calçado. No domingo, quase todas usaram sapatos Luís Onofre, à excepção de Catarina Furtado que optou por umas sandálias da marca portuguesa Samelli. No que às jóias diz respeito, a escolha de Catarina Furtado e de Sílvia Alberto, que também usou anéis da Eleutério, foi por usar brincos de Carolina Curado; já Filomena Cautela escolheu peças da Torres Joalheiros e Ruah optou por não usar joalharia.

No domingo, a primeira vez que as apresentadoras pisaram a blue carpet no MAAT, junto ao Tejo, nem todas optaram por criadores nacionais. Catarina Furtado envergou antes um vestido de padrão tigresa da Saint Laurent e Daniela Ruah escolheu uma peça da criadora russa Galia Lahav, sediada em Israel. Na passadeira azul, Sílvia Alberto marcou presença com um vestido metálico do português Luís Carvalho; e Filomena Cautela vestiu pela primeira vez Alves/Gonçalves.