Professora agredida por familiares de aluno

Docente foi transportada para o Hospital de Santo António, com lesões na cabeça, após ter sido agredida por quatro familiares de aluno de oito anos.

Agressão ocorreu na escola básica do bairro do Lagarteiro
Foto
Agressão ocorreu na escola básica do bairro do Lagarteiro Adriano Miranda / Arquivo

Tudo terá acontecido por volta das 17h desta terça-feira dentro da Escola Básica do Lagarteiro, situada no extremo Oriente do concelho do Porto. Quatro familiares de um aluno entraram na escola e agrediram uma professora.

A informação foi avançada pela Agência Lusa. E confirmada ao PÚBLICO pela PSP. 

Já poucos adultos estavam naquela escola com pré-escolar e primeiro ciclo. As aulas terminam às 15h30. Alguns alunos já tinham ido para as suas casas. Por ali tinham ficado os que participam nas actividades  de enriquecimento curricular.

A professora de educação física terá chamado repetidamente a atenção um aluno de oito anos, que estaria particularmente irrequieto e desobediente naquela tarde. Como ele teimava em não a ouvir, ela ter-lhe-á pedido que ficasse a um canto até compreender o que ela lhe estava a pedir. Terminada aquela actividade, a criança queixou-se à família. O pai e outros familiares terão então agredido a professora ao soco e ao pontapé.

Alguns vizinhos assistiram, incrédulos, à apressada chegada de uma equipa do Instituto Nacional de Emergência Médica e de diversos elementos da Escola Segura e da Equipa de Intervenção Rápida da PSP. “Uma professora não pode repreender um aluno?”, questionava, mais tarde, por telefone uma moradora.

Segundo informou a PSP, a professora, de 30 anos, começou por ser assistida no local. Como tinha algumas lesões na cabeça, acabou por ser transportada para o Hospital Geral de Santo António, no centro da cidade.

Não foi esta terça-feira possível falar com o director do Agrupamento de Escolas do Cerco, Manuel António Sousa Oliveira. O presidente da Junta de freguesia de Campanhã, Ernesto Santos, confirmou o episódio. “É um crime público. Aconteceu dentro da escola. Os agressores foram identificados”, sublinhou. Eram duas pessoas do sexo masculino e duas do sexo feminino.

Campanhã concentra o maior número de bairros sociais da cidade – Cerco, Falcão, Lagarteiro, Pego Negro, Machado Vaz, S. Roque, S. João de Deus, Antas, Contumil, Monte da Bela e Ilhéu. O Lagarteiro foi reabilitado há pouco.  

Não é a primeira vez que há agressões a professores na EB 1 do Lagarteiro. Moradores recordam o dia em que familiares de outro aluno terão entrado dentro do edifício da escola, subido ao primeiro andar e agredido uma funcionária.

Em 2015, o bairro deixou de ter projecto Escolhas, um programa destinado a promover a integração de crianças e jovens provenientes de contextos socioeconómicos vulneráveis. Fala-se agora na possibilidade de reforçar a vigilância, no âmbito do programa "Escola Segura".